Evangelho do Dia – quarta-feira, 08/07/2020

Tempo de leitura: 7 minutos

Evangelho do Dia de quarta-feira, 8 de julho de 2020.

Confira aqui o Evangelho do dia dos Católicos em nosso site. Você também pode receber diariamente a Liturgia do Dia de hoje e também o Salmo do Dia através do nosso portal.

O Evangelho do Dia

Evangelho do Dia

O evangelho é a história de Jesus Cristo e todos os seus princípios. O evangelho é cada um dos quatro principais livros do Novo Testamento. São eles: João, Lucas, Marcos e Mateus.

O evangelho do dia é um trecho de cada um destes livros. O evangelho faz parte da liturgia diária que é a leitura das missas.

O Evangelho do Dia na Igreja Católica

Na liturgia diária, temos o Leitura da Palavra, o Salmo e o Evangelho. Sendo assim, o evangelho do dia é a terceira das três partes que compõe a liturgia diária nas missas.

A palavra “evangelho” é uma das mais conhecidas entre os cristãos, porém, o seu conceito ainda é pouco difundido. Evangelho vem do grego que significa “boas-novas”. Desse modo, evangelizar, é levar a palavra de Jesus Cristo ao mundo.

Reflexão do Evangelho do Dia

O segundo grande discurso: O discurso da missão começa no capítulo 10 do Evangelho de Mateus. Mateus organiza seu Evangelho como uma nova edição da Lei de Deus ou como um novo “Pentateuco”, com seus cinco livros. Por essa razão, seu evangelho apresenta cinco grandes discursos ou ensinamentos de Jesus, seguidos de uma parte narrativa, na qual ele descreve a maneira pela qual Jesus coloca em prática o que havia ensinado nos discursos.

O chamado dos doze discípulos. Mateus já havia falado sobre o chamado dos discípulos (Mt 4: 18-22; 9: 9). Aqui, no início do Discurso sobre a Missão, ele apresenta um resumo: “Ele convocou Seus doze discípulos e deu-lhes autoridade sobre espíritos imundos com poder para expulsá-los e curar todos os tipos de doenças e todos os tipos de doenças”.

A tarefa, ou a missão, do discípulo é seguir a Jesus, o Mestre, formando comunidade com Ele e realizando a mesma missão de Jesus: expulsar espíritos imundos, curar todo tipo de doenças e todo tipo de doença. No Evangelho de Marcos, eles recebem a mesma missão dupla, formulada com outras palavras: Jesus constituiu o grupo de doze para permanecer com Ele e enviá-los para pregar e expulsar demônios ”(Mc 3: 14-15). 1) Estar com Ele, isto é, formar uma comunidade, na qual Jesus é o centro. 2) Pregar e ser capaz de expulsar demônios, isto é, anunciar as Boas Novas e conquistar a força do mal que destrói a vida das pessoas e as aliena. Lucas diz que Jesus orou a noite inteira e, no dia seguinte, chamou os discípulos. Ele orou a Deus para saber quem escolher (Lc 6: 12-13).

A lista dos nomes dos Doze Apóstolos. Um bom número desses nomes vem do Antigo Testamento. Por exemplo, Simão é o nome de um dos filhos do patriarca Jacó (Gn 29:33). Tiago é o mesmo que Jacó (Gênesis 25:26). Judas é o nome de outro filho de Jacó (Gn 35:23). Mateus também tinha o nome de Levi (Mc 2:14), que era outro filho de Jacó (Gn 35:23). Dos doze apóstolos, sete têm um nome que vem do tempo dos patriarcas. Dois são chamados Simon; dois são chamados James; dois são chamados Judas; um Levi! Apenas um tem um nome grego: Philip. Isso revela o desejo das pessoas de recomeçar a história desde o início! Talvez seja bom pensar nos nomes que hoje são dados às crianças quando nascem, porque cada um de nós é chamado por Deus por seu nome.

O envio ou a missão dos doze apóstolos às ovelhas perdidas de Israel. Depois de dar a lista dos nomes dos doze, Jesus os envia com o seguinte comando: “Não vá para o território dos pagãos e não entre em nenhuma cidade samaritana. Em vez disso, vá às ovelhas perdidas da casa de Israel. E à medida que avança, proclame que o Reino dos Céus está próximo.” Nesse único comando, há uma insistência tríplice em mostrar que a preferência da missão é a casa de Israel: (1) não entre os pagãos, (2) não entre nas cidades dos samaritanos ( 3) prefere ir às ovelhas perdidas de Israel. Aqui aparece uma resposta à dúvida dos primeiros cristãos sobre a abertura aos pagãos. Paulo, que afirmou fortemente a abertura aos pagãos , concorda em dizer que as Boas Novas de Jesus devem ser primeiro anunciadas aos judeus e depois aos pagãos (Rm 9: 1-11, 36; cf. Atos 1: 8; 11 : 3; 13:46; 15: 1, 5, 23-29). Mas então, no mesmo Evangelho de Mateus, na conversa de Jesus com a mulher cananéia, ocorrerá abertura aos pagãos (Mt 15: 21-29).

O envio dos apóstolos a todos os povos. Após a ressurreição de Jesus, existem vários episódios sobre o envio dos apóstolos, não apenas aos judeus, mas a todos os povos. Em Mateus: “Ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo o que eu ordenei. E estarei com você até o fim dos tempos ”(Mt 28: 19-20). Em Marcos: “Vá ao mundo inteiro, proclame as Boas Novas a todas as criaturas. Aqueles que crerem e serão batizados serão salvos; os que não crerem serão condenados ”(Mc 16:15). Em Lucas: “Assim está escrito que o Cristo sofreria e no terceiro dia ressuscitaria dos mortos, e que em Seu nome, o arrependimento pelo perdão dos pecados seria pregado a todas as nações, começando em Jerusalém. Você é testemunha de isto ”(Lc 24: 46-48; Atos 1: 8) João resume tudo em uma frase:“ Como o Pai me enviou, também eu te envio! ”

Evangelho Narrado

Nas missas, é comum que após a leitura o do evangelho, o celebrante faça um comentário ou reflexão relacionada ao evangelho do dia para os fiéis presentes. Esta reflexão não segue um roteiro ou texto e é feita de forma pessoal pelo celebrante como forma de explicar o evangelho, mas também trazê-lo para os dias atuais do nosso dia a dia.

A História do Evangelho do Dia

A Bíblia Sagrada é composta por quatro evangelhos. Cada um escrito por seus evangelistas São Mateus, São Marcos, São João e São Lucas.

Cada um dos evangelistas tinha um modo particular de escrever e tinham uma narrativa própria, mas apesar disso, os quatro evangelhos se cruzam e se completam numa perfeita simetria.

Os evangelhos narram a história da vida e morte de Jesus Cristo descrevendo todos os fatos pertinentes à sua vida, bem como seus ensinamentos, formando assim a doutrina cristã.

Estes quatro evangelhos foram reconhecidos e legitimados pelo Cristianismo sendo acolhidos como os primeiros livros do Novo Testamento da Bíblia e nomeados de “Evangelhos Canônicos”.

O Evangelho do Dia na Missa

O evangelho é parte integrante da liturgia do dia em todas as missas. O evangelho é único para cada dia do ano, sendo assim, em um determinado dia, o evangelho é o mesmo em qualquer igreja católica no mundo.

Após a leitura do evangelho do dia, o padre ou celebrante presente faz uma reflexão sobre o que foi lido para que se tenha um melhor entendimento dos acontecimentos narrados e nos trazer os ensinamentos de Deus.

O Dever de Evangelizar

Cada cristão na terra tem a missão de evangelizar ou seja, de levar a boa-nova, a palavra de Deus aos quatro cantos da terra. Jesus Cristo é o caminho para a salvação, portanto, evangelizar é salvar.

Como católicos, temos a obrigação não só de ler o evangelho do dia, mas também de levar a palavra para outras pessoas. O objetivo é que o evangelho nos traga ensinamentos mas também que possamos levar estes ensinamentos adiante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.