Mundo dos Católicos

Liturgia Diária (21 de março de 2020)

Liturgia diária de sábado, 21 de março de 2020.

A liturgia diária

Para os católicos, a liturgia é uma forma de renovação do sacrifício de Jesus Cristo para a salvação da humanidade. A liturgia diária são as lembranças de Jesus e da salvação trazendo para os cristãos uma reflexão que pode ser inserida em suas vidas.

A liturgia diária vem do grego derivado de duas palavras. A primeira “Leito” que significa: público. E a segunda palavra “Ergos” que magnifica: aquele que faz um trabalho público para o povo. A Liturgia é entendida como uma cerimônia estabelecida previamente segundo a tradição da igreja católica.

A Liturgia Diária na Igreja Católica

Liturgia Diária

Apesar da palavra “liturgia” já ser comum na antiguidade, foi apenas depois dos séculos VIII e IX que a liturgia começou a ser utilizada pela igreja grega e passando a fazer parte da igreja católica alguns séculos depois, or volta de XVI.

A liturgia diária é sempre usada nas missas e existe uma liturgia para cada dia do ano. A liturgia diária é formada por 3 partes: a Leitura, o Salmo e o Evangelho do dia. Em alguns dias, também podem haver duas ou mais Leituras.

Liturgia Diária com Reflexão

Além da liturgia diária, é comum que nas missas o padre ou celebrante na ocasião, faça uma reflexão das palavras do evangelho do dia. Esta reflexão é feita em geral por livre interpretação, não seguindo um texto pré-definido.

A História da Liturgia Diária

O ponto principal da liturgia é o Mistério Pascal, descrevendo a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo e a sua ascensão ao céus, ao reino de Deus.

Leia mais:  Evangelho do Dia - Sábado, 22ª Semana do Tempo Comum, 04/09/2021

Até meados do século XVI não havia para a liturgia diária uma padronização ou norma que caracterizava a sua obrigatoriedade, no entanto, foram Pio V e Clemente III que a implementaram. E posteriormente, através do Concílio Vaticano II onde a Liturgia teve a sua mais recente atualização, trazendo mais relevância à Sagrada Escritura na liturgia da palavra.

Reflexão

Orgulho e justiça própria são bastante feias. Este evangelho contrasta o fariseu e sua justiça própria com a humildade do cobrador de impostos. O fariseu parece justo do lado de fora e tem até orgulho de falar sobre o quão bom ele é em sua oração a Deus quando ele diz que está agradecido por não ser como o resto da humanidade. Aquele pobre fariseu. Mal sabe ele que é bastante cego para a verdade.

O cobrador de impostos, no entanto, é sincero, humilde e sincero. Ele clamou: “Ó Deus, seja misericordioso comigo, um pecador.” Jesus deixa claro que o cobrador de impostos, com essa humilde oração, foi para casa justificado, mas o fariseu não.

Quando testemunhamos a sinceridade e humildade de outro, isso nos toca. É uma visão inspiradora de se ver. É difícil criticar qualquer pessoa que expresse sua pecaminosidade e peça perdão. Humildade desse tipo pode conquistar até os corações mais endurecidos.

E você? Esta parábola é endereçada a você? Você carrega o pesado fardo da justiça própria? Todos nós fazemos pelo menos até certo ponto. É difícil chegar sinceramente ao nível de humildade que esse coletor de impostos tinha. E é muito fácil cair na armadilha de justificar nosso próprio pecado e, como resultado, tornar-se defensivo e auto-absorvido. Mas isso tudo é orgulho. O orgulho desaparece quando fazemos duas coisas bem.

Leia mais:  Evangelho do Dia - quinta-feira (3ª Semana da Quaresma), 11/03/2021

Primeiro, temos que entender a misericórdia de Deus. Compreender a misericórdia de Deus nos liberta para tirar os olhos de nós mesmos e deixar de lado a justiça e a justificação. Isso nos liberta de ser defensivo e nos permite ver a nós mesmos à luz da verdade. Por quê? Porque quando reconhecemos a misericórdia de Deus pelo que é, também percebemos que nem mesmo nossos pecados podem nos impedir de Deus. De fato, quanto maior o pecador, mais ele merece a misericórdia de Deus! Portanto, entender a misericórdia de Deus realmente nos permite reconhecer nosso pecado.

Reconhecer nosso pecado é o segundo passo importante que devemos dar se queremos que nosso orgulho desapareça. Temos que saber que não há problema em admitir nosso pecado. Não, não precisamos ficar na esquina e contar a todos sobre os detalhes de nossos pecados. Mas temos que reconhecer isso para nós mesmos e para Deus, especialmente no confessionário. E, às vezes, será necessário reconhecer nossos pecados aos outros, para que possamos pedir perdão e misericórdia. Essa profundidade de humildade é atraente e conquista facilmente os corações dos outros. Inspira e produz bons frutos de paz e alegria em nossos corações.

Portanto, não tenha medo de seguir o exemplo desse coletor de impostos. Tente fazer a oração dele hoje e repeti-la várias vezes. Que se torne sua oração e você verá os bons frutos desta oração em sua vida!

Ó Deus, seja misericordioso comigo, um pecador. Ó Deus, seja misericordioso comigo, um pecador. Ó Deus, seja misericordioso comigo, um pecador. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária na Missa

A liturgia faz parte de toda missa celebrada pela Igreja Católica. A liturgia diária é única para cada dia do ano, portanto, naquele dia determinado, todas as igrejas católicas se fazem da mesma leitura.

Leia mais:  Liturgia Diária - 2º domingo da Quaresma, 28/02/2021

Utilizada nas missas, a liturgia também pode ser utilizada em outras celebrações. E também pode ser usada em outros momentos como em Grupos de Orações ou para meditar a Palavra do Dia.

E apesar da igreja celebrar o Mistério de Cristo durante todos os dias do ano, o ponto central é o domingo. É neste dia que os católicos devem ir obrigatoriamente à missa como forma de cumprir um dos Cinco Mandamentos da Igreja Católica.

Dessa forma, a liturgia diária é a ação do povo de Deus em uniformidade. Durante a celebração da missa, a liturgia diária pode ser praticada através de gestos, sinais ou palavras.

A Liturgia nos dias de hoje

A Liturgia diária é vista por muitos como sendo um rito que trás uma certa formalização da missa, mas o verdadeiro significado é exatamente o contrário. A liturgia vem para fazer com que os cristãos reflitam as palavras e busquem trazê-las para a sua vida e para os seu dia a dia como forma de viver a Palavra de Deus não apenas na missa mas também na vida cotidiana.

A liturgia vem mostrar o Mistério Pascal da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. A liturgia vem nos trazer orientações de como devemos pensar e agir conforme a Palavra de Deus.

Foto de Mundo dos Católicos

Mundo dos Católicos

Patrocinado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Não encontrou o que busca?

Faça uma busca abaixo.