Evangelho do Dia – domingo, 12/07/2020

Tempo de leitura: 7 minutos

Evangelho do Dia de domingo, 12 de julho de 2020.

Confira aqui o Evangelho do dia dos Católicos em nosso site. Você também pode receber diariamente a Liturgia do Dia de hoje e também o Salmo do Dia através do nosso portal.

O Evangelho do Dia

Evangelho do Dia

O evangelho é a história de Jesus Cristo e todos os seus princípios. O evangelho é cada um dos quatro principais livros do Novo Testamento. São eles: João, Lucas, Marcos e Mateus.

O evangelho do dia é um trecho de cada um destes livros. O evangelho faz parte da liturgia diária que é a leitura das missas.

O Evangelho do Dia na Igreja Católica

Na liturgia diária, temos o Leitura da Palavra, o Salmo e o Evangelho. Sendo assim, o evangelho do dia é a terceira das três partes que compõe a liturgia diária nas missas.

A palavra “evangelho” é uma das mais conhecidas entre os cristãos, porém, o seu conceito ainda é pouco difundido. Evangelho vem do grego que significa “boas-novas”. Desse modo, evangelizar, é levar a palavra de Jesus Cristo ao mundo.

Reflexão do Evangelho do Dia

No Evangelho de hoje, meditaremos sobre a parábola da semente. Jesus tinha um jeito de falar por meio de comparações e parábolas. Geralmente, quando Ele terminava de contar uma parábola, Ele não a explicava, mas costumava dizer: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!” (Mt 11:15; 13: 9,43). Às vezes, ele explicava o significado aos discípulos (Mt 13:36). As parábolas falam das coisas da vida; sementes, lâmpadas, mostarda, sal, etc. São coisas que existem na vida cotidiana, tanto para as pessoas da época quanto hoje para nós. Assim, a experiência que temos hoje dessas coisas se torna para nós um meio de descobrir a presença do mistério de Deus em nossa vida. Falar em parábolas significa revelar o mistério do Reino presente na vida.

Mateus 13: 1-3: Sentado no barco, Jesus ensinou as pessoas. Como aconteceu no Sermão da Montanha (Mt 5: 1-2), aqui também Mateus faz uma breve introdução ao Discurso das Parábolas, descrevendo Jesus que ensina no barco, na praia e as muitas pessoas ao redor. Aquele que escuta. Jesus não era uma pessoa que foi instruída (Jo 7:15). Ele não tinha frequentado uma escola superior em Jerusalém. Ele veio de dentro do país, de Nazaré. Ele era desconhecido, um artesão ou artesão. Sem pedir permissão à autoridade religiosa, Ele começou a ensinar as pessoas. As pessoas gostavam de ouvi-lo. Jesus ensinou especialmente por meio de parábolas. Já ouvimos alguns deles: pescadores de homens (Mt 4:19), sal (Mt 5:13), lâmpada (Mt 5:15), pássaros do céu e lírios do campo (Mt 6). 26.28), a casa construída sobre a rocha (Mt 7:24), e agora, no capítulo 13, as parábolas começam a ter um significado particular: servem para revelar o mistério do Reino de Deus presente no meio das pessoas e a atividade de Jesus.

Mateus 13: 4-8: A parábola da semente retirada da vida do agricultor. Naquela época, não era fácil viver da agricultura. A terra estava cheia de pedras. Havia pouca chuva e muito sol. Muitas vezes, para atalho, as pessoas atravessavam os campos e destruíam as plantas (Mt 12: 1). Apesar de tudo isso, todo ano o agricultor semeia e planta, confiando na força da semente, na generosidade da natureza. A parábola do semeador descreve o que todos sabemos e fazemos: a semente jogada pelo plantador cai no chão ao longo da estrada, outra parte cai entre as pedras e os cardos; ainda outra parte cai na boa terra, onde, de acordo com a qualidade da terra, produzirá trinta, sessenta e até cem vezes. Uma parábola é uma comparação. Ele usa coisas conhecidas pelo povo e que são visíveis para explicar que o Reino de Deus é uma coisa invisível e desconhecida. O povo da Galiléia entendia sobre sementes, solo, chuva, sol e colheita. Então agora Jesus usa exatamente essas coisas conhecidas pelas pessoas para explicar o mistério do Reino.

Mateus 13: 9: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. A expressão “quem tem ouvidos, ouça” significa: “é isso! Você já ouviu falar. Agora tente entender! A maneira de entender a parábola é pesquisar: “Tentar entender!” A parábola não dá tudo de imediato, mas leva a pensar e a descobrir, a partir da experiência que os ouvintes têm da semente. Apela à criatividade e à participação. Não é uma doutrina que vem pronta para ser ensinada. A parábola não dá água em garrafas, mas a fonte. O fazendeiro que ouve a parábola diz: “Semente no chão, eu sei o que isso significa! Mas Jesus diz que isso tem algo a ver com o Reino de Deus. O que seria aquilo?” E é fácil imaginar as longas conversas do povo! A parábola nos leva a ouvir a natureza e a pensar na vida. Certa vez, uma pessoa perguntou em uma comunidade: “Jesus diz que precisamos ser salgados. Para que serve o sal? Houve discussão e, no final, foram descobertos dez propósitos diferentes que o sal pode ter. Então tudo isso foi aplicado à vida da comunidade e descobriu-se que ser sal é difícil e exigente. A parábola funcionou bem!

Evangelho Narrado

Nas missas, é comum que após a leitura o do evangelho, o celebrante faça um comentário ou reflexão relacionada ao evangelho do dia para os fiéis presentes. Esta reflexão não segue um roteiro ou texto e é feita de forma pessoal pelo celebrante como forma de explicar o evangelho, mas também trazê-lo para os dias atuais do nosso dia a dia.

A História do Evangelho do Dia

A Bíblia Sagrada é composta por quatro evangelhos. Cada um escrito por seus evangelistas São Mateus, São Marcos, São João e São Lucas.

Cada um dos evangelistas tinha um modo particular de escrever e tinham uma narrativa própria, mas apesar disso, os quatro evangelhos se cruzam e se completam numa perfeita simetria.

Os evangelhos narram a história da vida e morte de Jesus Cristo descrevendo todos os fatos pertinentes à sua vida, bem como seus ensinamentos, formando assim a doutrina cristã.

Estes quatro evangelhos foram reconhecidos e legitimados pelo Cristianismo sendo acolhidos como os primeiros livros do Novo Testamento da Bíblia e nomeados de “Evangelhos Canônicos”.

O Evangelho do Dia na Missa

O evangelho é parte integrante da liturgia do dia em todas as missas. O evangelho é único para cada dia do ano, sendo assim, em um determinado dia, o evangelho é o mesmo em qualquer igreja católica no mundo.

Após a leitura do evangelho do dia, o padre ou celebrante presente faz uma reflexão sobre o que foi lido para que se tenha um melhor entendimento dos acontecimentos narrados e nos trazer os ensinamentos de Deus.

O Dever de Evangelizar

Cada cristão na terra tem a missão de evangelizar ou seja, de levar a boa-nova, a palavra de Deus aos quatro cantos da terra. Jesus Cristo é o caminho para a salvação, portanto, evangelizar é salvar.

Como católicos, temos a obrigação não só de ler o evangelho do dia, mas também de levar a palavra para outras pessoas. O objetivo é que o evangelho nos traga ensinamentos mas também que possamos levar estes ensinamentos adiante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.