Mundo dos Católicos

Liturgia Diária – 13ª Semana do Tempo Comum, Quarta-feira (29/06/2022)

Liturgia Diária da 13ª Semana do Tempo Comum, Quarta-feira, 29 de junho de 2022.

Leia aqui diariamente a Liturgia do Dia dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Homilia Diária Comentada do Evangelho. Leia agora a Liturgia de hoje no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Leitura (Amós 5,14-15.21-24)

Leitura da profecia de Amós.

5 14 Buscai o bem e não o mal, e vivereis; e o Senhor Deus dos exércitos estará convosco, como o dizeis.

15 Detestai o mal, amai o bem, fazei reinar a justiça nas vossas assembleias; talvez então o Senhor, o Deus dos exércitos, tenha piedade do que resta de José!

21 “Aborreço vossas festas; elas me desgostam; não sinto gosto algum em vossos cultos;

22 quando me ofereceis holocaustos e ofertas, não encontro neles prazer algum, e não faço caso de vossos sacrifícios e animais cevados.

23 Longe de mim o ruído de vossos cânticos, não quero mais ouvir a música de vossas harpas;

24 mas, antes, que jorre a equidade como uma fonte e a justiça como torrente que não seca”.

Palavra do Senhor.

Salmo

Salmo Responsorial 49/50

A todos os que procedem retamente eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– “Escuta, ó meu povo, eu vou falar;

ouve, Israel, eu testemunho contra ti:

eu, o Senhor, somente eu, sou o teu Deus!

– Eu não venho censurar teus sacrifícios,

pois sempre estão perante mim teus holocaustos;

não preciso dos novilhos de tua casa

nem dos carneiros que estão nos teus rebanhos.

– Porque as feras da floresta me pertencem

e os animais que estão nos montes aos milhares.

Conheço os pássaros que voam pelos céus

e os seres vivos que se movem pelos campos.

Evangelho do Dia

Evangelho (Mateus 8,28-34)

Aleluia, aleluia, aleluia.

Deus nos gerou pela palavra da verdade como as primícias de suas criaturas (Tg 1,18).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

8 28 No outro lado do lago, na terra dos gadarenos, dois possessos de demônios saíram de um cemitério e vieram ao encontro de Jesus. Eram tão furiosos que pessoa alguma ousava passar por ali.

29 Eis que se puseram a gritar: “Que tens a ver conosco, Filho de Deus? Vieste aqui para nos atormentar antes do tempo?”

Leia mais:  Liturgia Diária - sábado, 12/09/2020

30 Havia, não longe dali, uma grande manada de porcos que pastava.

31 Os demônios imploraram a Jesus: “Se nos expulsas, envia-nos para aquela manada de porcos”.

32 “Ide”, disse-lhes. Eles saíram e entraram nos porcos. Nesse instante toda a manada se precipitou pelo declive escarpado para o lago, e morreu nas águas.

33 Os guardas fugiram e foram contar na cidade o que se tinha passado e o sucedido com os endemoninhados.

34 Então a população saiu ao encontro de Jesus. Quando o viu, suplicou-lhe que deixasse aquela região.

Palavra da Salvação.

Reflexão da Liturgia Diária

A Igreja, ao longo dos tempos, foi odiada, incompreendida, caluniada, ridicularizada e até atacada. Embora às vezes o ridículo e a repreensão venham como resultado das falhas pessoais de seus membros, na maioria das vezes a Igreja foi e continua sendo perseguida porque nos foi dada a missão de proclamar com clareza, compaixão, firmeza e autoridade, com a voz de O próprio Cristo, a verdade que liberta todas as pessoas para viverem em unidade como filhos de Deus.

Ironicamente, e tristemente, há muitos neste mundo que se recusam a aceitar a Verdade. Há muitos que, em vez disso, crescem em raiva e amargura à medida que a Igreja vive sua missão divina.

Qual é essa missão divina da Igreja? Sua missão é ensinar com clareza e autoridade, derramar a graça e a misericórdia de Deus nos Sacramentos e pastorear o povo de Deus para conduzi-lo ao céu. É Deus que deu à Igreja esta missão e Deus que capacita a Igreja e seus ministros a realizá-la com coragem, ousadia e fidelidade.

A solenidade de hoje é uma ocasião muito apropriada para refletir sobre esta sagrada missão. Os Santos Pedro e Paulo não são apenas dois dos maiores exemplos da missão da Igreja, mas são também o verdadeiro fundamento sobre o qual Cristo estabeleceu esta missão.

Primeiro, o próprio Jesus no Evangelho de hoje disse a Pedro: “E por isso te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do outro mundo não prevalecerão contra ela. Eu lhe darei as chaves do Reino dos Céus. Tudo o que você ligar na terra será ligado no céu; tudo o que você desligar na terra será desligado no céu”.

Leia mais:  Liturgia Diária - domingo, 18/10/2020

Nesta passagem do Evangelho, “as Chaves do Reino dos Céus” são dadas ao primeiro papa da Igreja. São Pedro, aquele a quem foi confiada a liderança divina da Igreja na Terra, recebe a autoridade de nos ensinar tudo o que precisamos saber para alcançar o Céu. Está claro desde os primeiros dias da Igreja, que Pedro passou essas “Chaves do Reino”, essa “capacidade de ligar e desligar com autoridade”, esse dom divino que hoje é chamado de infalibilidade, para seu sucessor, e ele para seu sucessor e assim por diante até hoje.

Há muitos que se irritam com a Igreja por proclamar com clareza, confiança e autoridade a verdade libertadora do Evangelho. Isto é especialmente verdadeiro na área da moralidade. Muitas vezes, quando essas verdades são proclamadas, a Igreja é atacada e chamada de todo tipo de nome calunioso no livro.

A principal razão pela qual isso é tão triste não é tanto que a Igreja seja atacada, Cristo sempre nos dará a graça de que precisamos para suportar a perseguição. A principal razão pela qual isso é tão triste é que, na maioria das vezes, aqueles que estão mais irritados são, de fato, aqueles que mais precisam conhecer a verdade libertadora. Todos precisam da liberdade que vem somente em Cristo Jesus e da verdade evangélica plena e inalterada que Ele já nos confiou na Escritura e que continua a nos esclarecer por meio de Pedro na pessoa do Papa. Além disso, o Evangelho nunca muda, a única coisa que muda é nossa compreensão cada vez mais profunda e clara deste Evangelho. Graças a Deus por Pedro e por todos os seus sucessores que servem a Igreja neste papel essencial.

A São Paulo, o outro apóstolo que hoje honramos, não foi ele mesmo encarregado das chaves de Pedro, mas foi chamado por Cristo e fortalecido por sua ordenação para ser apóstolo dos gentios. São Paulo, com muita coragem, viajou por todo o Mediterrâneo para levar a mensagem a todos que encontrava. Na segunda leitura de hoje, São Paulo disse sobre suas viagens: “O Senhor esteve ao meu lado e me deu força, para que por mim o anúncio se cumprisse e todos os gentios ouvissem” o Evangelho. E embora tenha sofrido, tenha sido espancado, aprisionado, ridicularizado, incompreendido e odiado por muitos, ele também foi um instrumento de verdadeira liberdade para muitos. Muitas pessoas responderam às suas palavras e exemplo, entregando radicalmente suas vidas a Cristo. Devemos o estabelecimento de muitas novas comunidades cristãs aos esforços incansáveis ​​de São Paulo. Ao enfrentar a oposição do mundo, Paulo disse na epístola de hoje: “Fui resgatado da boca do leão. O Senhor me livrará de toda ameaça maligna e me levará a salvo ao seu reino celestial”.

Leia mais:  Liturgia Diária - Quinta-feira, 32ª Semana do Tempo Comum, 11/11/2021

Tanto São Paulo quanto São Pedro pagaram por sua fidelidade às suas missões com suas vidas. A Primeira Leitura falou da prisão de Pedro; as epístolas revelam as dificuldades de Paulo. No final, ambos se tornaram mártires. O martírio não é uma coisa ruim se é o Evangelho pelo qual você é martirizado.

Jesus diz no Evangelho: “Não temas aquele que pode amarrar suas mãos e pés, mas teme aquele que pode lançar você na Geena”. E o único que pode jogá-lo na Geena é você mesmo por causa das escolhas livres que você faz. Em última análise, tudo o que precisamos temer é desviar-se da verdade do Evangelho em nossas palavras e ações.

A verdade deve ser proclamada com amor e compaixão; mas o amor não é amoroso nem a compaixão compassiva se a verdade da vida de fé e moral não estiver presente.

Nesta festa de São Pedro e São Paulo, que Cristo dê a todos nós, e a toda a Igreja, a coragem, a caridade e a sabedoria de que precisamos para continuar a ser os instrumentos que libertam o mundo.

Oração do Dia

Senhor, agradeço-te pelo dom da tua Igreja e pelo Evangelho libertador que ela prega. Ajuda-me a ser sempre fiel às verdades que Tu proclamas através da Tua Igreja. E ajude-me a ser um instrumento dessa verdade para todos que dela necessitam. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Além da Liturgia Diária, o padre ou celebrante faz, por livre interpretação, a Homilia Diária das palavras do Evangelho depois da sua leitura.

O ponto mais importante da liturgia é o Mistério Pascal que descreve a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo e a sua ascensão ao céus, ao reino de Deus.

Foto de Mundo dos Católicos

Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

Patrocinado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Não encontrou o que busca?

Faça uma busca abaixo.