Liturgia Diária – 24ª Semana do Tempo Comum, Terça-feira (19/09/2023)

Liturgia Diária

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Terça-feira, 19 de setembro de 2023.

Confira diariamente o Evangelho do Dia Comentado dos Católicos em nosso site. Receba a Liturgia de hoje no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Timóteo 3, 1-13

Leitura da Primeira Carta de São Paulo a Timóteo:

Caríssimo: 1Eis uma palavra verdadeira: quem aspira ao episcopado, saiba que está desejando uma função sublime. 2Porque o epíscopo tem o dever de ser irrepreensível, marido de uma só mulher, sóbrio, prudente, modesto, hospitaleiro, capaz de ensinar. 3Não deve ser dado a bebidas nem violento mas condescendente, pacífico, desinteressado. 4Deve saber governar bem sua casa, educar os filhos na obediência e castidade. 5Pois, quem não sabe governar a própria casa, como governará a Igreja de Deus? 6Não pode ser um recém-convertido para não acontecer que, ofuscado pela vaidade, venha a cair na mesma condenação que o demônio. 7Importa também que goze de boa consideração da parte dos de fora para que não se exponha à infâmia e caia nas armadilhas do diabo. 8Do mesmo modo os diáconos devem ser pessoas de respeito, homens de palavra, não inclinados à bebida, nem a lucro vergonhoso. 9Possuam o mistério da fé junto com uma consciência limpa. 10Antes de receber o cargo sejam examinados; se forem considerados dignos, poderão exercer o ministério. 11Também as mulheres devem ser honradas sem difamação mas sóbrias e fiéis em tudo. 12Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e saibam dirigir bem os seus filhos e a sua própria casa. 13Pois os que exercem bem o diaconato, recebem uma posição de estima e muita liberdade para falar da fé em Cristo Jesus.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 100 (101)

– Viverei na pureza do meu coração!

– Eu quero cantar o amor e a justiça, cantar os meus hinos a vós, ó Senhor! Desejo trilhar o caminho do bem, mas quando vireis até mim, ó Senhor?

– Viverei na pureza do meu coração, no meio de toda a minha família. Diante dos olhos eu nunca terei qualquer coisa má, injustiça ou pecado.

– Farei que se cale diante de mim quem é falso e às ocultas difama seu próximo; o coração orgulhoso, o olhar arrogante não vou suportar e não quero nem ver.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Quarta-feira (17/04/2024)

– Aos fiéis desta terra eu volto meus olhos; que eles estejam bem perto de mim! Aquele que vive fazendo o bem será meu ministro, será meu amigo.

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7, 11-17

– Aleluia, Aleluia, Aleluia!

– Um grande profeta surgiu entre nós, e Deus visitou o seu povo (Lc 7,16);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:

Naquele tempo: 11Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. 12Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. 13Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: ‘Não chores!’ 14Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: ‘Jovem, eu te ordeno, levanta-te!’ 15O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. 16Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: ‘Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo.’ 17E a notícia do fato espalhou-se pela Judéia inteira, e por toda a redondeza.

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

Tente imaginar essa mãe. Ela era casada, ela e o marido tiveram um filho, criaram o filho, ela e o filho viram o marido morrer, e depois ela viu o filho morrer e estava participando do funeral dele. Como ele era seu único filho, ela agora estava sozinha.

Quando pensamos nesta mulher, é fácil sentir compaixão por ela. Seu coração teria ficado cheio de uma tristeza que é tangível para qualquer pessoa com empatia. Seu coração também pode estar cheio de medo. Naquela época, uma viúva teria muita dificuldade em cuidar de si mesma numa aldeia rural. Com a morte do marido, ela teria que contar com o filho para sustentá-la à medida que envelhecia. Mas agora que ele se foi, o coração dela não só sentiria a dor da perda dele, mas também o medo pelo seu futuro. O que seria dela? Quem forneceria comida para ela ano após ano? Ela seria reduzida à mendicância e à pobreza?

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Quinta-feira (18/04/2024)

É no contexto desta tristeza e medo muito reais que Jesus entra na sua vida. Não sabemos se ela sabia alguma coisa sobre Jesus. Parece que ela não era uma de Suas seguidoras e talvez nem tivesse ouvido falar de Jesus, já que Ele não ministrava publicamente há muito tempo. O encontro de Jesus com ela e seu filho morto parece não planejado e inesperado. O que é que move Jesus a ressuscitar este homem dentre os mortos? Não parece ser uma resposta à fé de ninguém na aldeia. Nem sequer é feito a pedido de ninguém. Em vez disso, parece ter sido feito puramente pela compaixão de Jesus por esta mãe. Pelo menos é o que parece à primeira leitura. E embora Jesus claramente tenha agido por compaixão por ela, se considerarmos todo o contexto, também pode haver um motivo secundário.

Jesus, seus discípulos e uma grande multidão caminhavam juntos por esta aldeia. Visto que os milagres de Jesus eram normalmente realizados em resposta à fé das pessoas, é muito provável que a fé tenha contribuído para este milagre. A fé que suscitou este milagre, no entanto, só poderia ter vindo das multidões que caminhavam com Jesus desde Cafarnaum. No dia anterior, essas mesmas multidões testemunharam Jesus curar o servo de um centurião. Eles claramente acreditavam em Jesus. Ao caminharem com Ele e encontrarem este cortejo fúnebre, não foi apenas o coração de Jesus que foi movido pela compaixão, mas também o coração dos Seus seguidores. Portanto, à medida que os seguidores de Jesus testemunharam a tristeza desta mãe e depois testemunharam a tristeza humana e a compaixão de Jesus por ela, eles teriam tido esperança de que Ele faria alguma coisa. A esperança deles teria sido de origem sobrenatural, o que significa que também estava unida à fé. Pela fé, eles sabiam que Jesus agiria. Assim, de uma forma muito real, a compaixão, a esperança e a fé das pessoas que viajavam com Jesus teriam invocado o Seu poder todo-poderoso para curar, e Jesus respondeu.

Existem muitas maneiras de atuar como mediadores da graça de Deus. Uma maneira de fazer isso é crescer em compaixão pelos outros e na esperança em Deus. Quando testemunhamos o sofrimento dos outros, nos permitimos sentir compaixão por eles, manifestamos esperança no poder de Deus para curar, e então permanecemos ali, com fé, esperando que Deus aja, Deus será compelido a agir. Nossa santa compaixão, esperança e fé atuam como uma oração à qual Deus sempre responde. As multidões que acompanham Jesus através da aldeia de Naim parecem ter agido desta maneira e, inspirados pelo seu testemunho, também nós devemos agir como intercessores pelos outros da mesma maneira.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Sexta-feira (19/04/2024)

Reflita hoje sobre qualquer pessoa em sua vida que se pareça com esta viúva de Naim. Quem é que Deus quer que você perceba e por quem sinta compaixão? À medida que o seu coração empático percebe aqueles que precisam da sua compaixão, abra-se também ao dom sobrenatural da esperança. Tenha esperança divina de que Deus os curará. Ao fazer isso, permita que essa esperança manifeste fé em Deus e ofereça essa compaixão, esperança e fé a Deus como sua oração por aqueles que precisam.

Oração do Dia

Senhor compassivo, Tu estás sempre atento às nossas necessidades e às nossas tristezas. Seu Coração está cheio de compaixão por todos. Por favor, dê-me um coração verdadeiramente empático para que eu veja os necessitados. Ao fazer isso, encha-me de esperança e fé de que Tu derramarás Tua misericórdia sobre eles para que eu me torne um intercessor para todos. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Até o século XVI não existia uma norma ou regra que indicava a obrigatoriedade da liturgia diária, no entanto, foram Pio V e Clemente III que implementaram. E posteriormente, através do Concílio Vaticano II onde a Liturgia teve a sua mais recente atualização, trazendo mais importância à Sagrada Escritura na liturgia.

A liturgia é formada pela primeira leitura, segunda leitura, além do salmo do dia e o evangelho, e é parte de toda missa da Igreja Católica. A Liturgia Diária é única para cada dia do ano, portanto, para cada dia, todas as igrejas católicas se fazem da mesma leitura neste mesmo dia.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *