Liturgia Diária (10 de abril de 2020)

Liturgia diária de sexta-feira, 10 de abril de 2020.

Confira diariamente a Liturgia Diária dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Evangelho do dia e Salmo. Você também pode acompanhar diariamente o Salmo do Dia aqui no Mundo dos Católicos.

A liturgia diária

Para os católicos, a liturgia é uma forma de renovação do sacrifício de Jesus Cristo para a salvação da humanidade. A liturgia diária são as lembranças de Jesus e da salvação trazendo para os cristãos uma reflexão que pode ser inserida em suas vidas.

A liturgia diária vem do grego derivado de duas palavras. A primeira “Leito” que significa: público. E a segunda palavra “Ergos” que magnifica: aquele que faz um trabalho público para o povo. A Liturgia é entendida como uma cerimônia estabelecida previamente segundo a tradição da igreja católica.

A Liturgia Diária na Igreja Católica

Liturgia Diária

Apesar da palavra “liturgia” já ser comum na antiguidade, foi apenas depois dos séculos VIII e IX que a liturgia começou a ser utilizada pela igreja grega e passando a fazer parte da igreja católica alguns séculos depois, or volta de XVI.

A liturgia diária é sempre usada nas missas e existe uma liturgia para cada dia do ano. A liturgia diária é formada por 3 partes: a Leitura, o Salmo e o Evangelho do dia. Em alguns dias, também podem haver duas ou mais Leituras.

Reflexão

Pondere hoje, neste dia sombrio, as palavras finais de Jesus. As escrituras registram sete últimas declarações, ou as “Sete Últimas Palavras”. Pegue cada frase e gaste tempo com ela. Procure o significado espiritual mais profundo para sua vida.

“Pai, perdoa-lhes, porque eles não sabem o que fazem.”

O perdão de Jesus aos outros foi radical e em um grau nunca visto antes. Enquanto pendurado na cruz e suportando a crueldade de outros, Jesus falou palavras de perdão. Ele os perdoou no meio de Sua perseguição.

O que é mais é que Ele até reconheceu que aqueles que O crucificavam não eram totalmente responsáveis. Eles claramente não sabiam o que estavam fazendo. Este humilde reconhecimento de Jesus mostra a profundidade de Sua terna misericórdia. Isso revela que Ele morreu não com raiva ou ressentimento, mas em sacrifício voluntário.

Podes dizer essas palavras? Você pode se lembrar da pessoa que a machucou e orar para que o Pai a perdoe? Deixe o julgamento para Deus e ofereça misericórdia e perdão.

“Garanto-lhe, hoje você estará comigo no paraíso.”

Que consolo deve ter sido para o bom ladrão ouvir essas palavras. Ele deve ter experimentado um certo desespero na vida naquele momento, enquanto ele, ao lado de Jesus, estava morrendo na cruz. Que presente era estar ao lado do Salvador do Mundo, participando dos sofrimentos de Cristo de maneira tão real. E esse homem teve o privilégio de estar entre os primeiros a receber esse presente de salvação conquistado por Jesus na cruz.

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Quinta-feira (20/01) - São Sebastião

Jesus nos oferece a mesma segurança. Ele oferece a salvação para nós a partir de hoje. E Ele oferece isso para nós no meio de nosso próprio sofrimento e pecado. Você pode ouvi-lo oferecer esse presente de misericórdia? Você pode ouvi-lo convidá-lo a compartilhar Seu presente da vida eterna? Deixe que Ele fale esse convite para você e que a vida eterna do paraíso comece a se firmar mais profundamente hoje em sua alma.

“Mulher, eis o teu filho.”

Que presente! Aqui, morrendo na cruz, Jesus confiou sua própria mãe a João. E ao fazê-lo, Ele a confiou a cada um de nós. Nossa união com Jesus nos torna membros de Sua família e, portanto, filhos e filhas de Sua própria mãe. Nossa Mãe Santíssima aceita essa responsabilidade com grande alegria. Ela nos abraça e nos mantém próximos.

Você aceita a mãe de Jesus como sua própria mãe espiritual? Você se consagrou totalmente a ela? Fazer isso o colocará sob seu manto de proteção e amor.

“Meu Deus, meu Deus, por que você me abandonou?”

Jesus não foi abandonado, mas permitiu-se sentir e experimentar essa completa perda do Pai em Sua natureza humana. Ele sentiu a profunda experiência de desespero. Ele se permitiu conhecer e experimentar os efeitos do pecado. Portanto, Ele sabe o que passamos quando nos desesperamos. Ele sabe como é. E Ele está lá conosco nessas tentações, permitindo-nos continuar com qualquer desespero em direção à total fé e confiança no Pai.

“Tenho sede.”

Que afirmação significativa. Ele estava sedento fisicamente naquele momento por água para saciar Sua desidratação. Mas mais do que isso, Ele sedenta espiritualmente pela salvação de todas as nossas almas. O espírito de Jesus ainda anseia por esse presente de salvação. Ele deseja nos chamar de filhos. Ele tem sede do nosso amor.

Pondere sobre Jesus dizendo essas palavras para você. “Tenho sede de você!” Ele diz. É uma sede profunda e ardente de seu amor. Você sacia a sede de Jesus retornando esse amor. Sacie sua sede nesta sexta-feira, dando-Lhe seu amor.

“Pai, em suas mãos eu recomendo meu espírito.”

Leia mais:  Liturgia Diária - Sábado, 13ª Semana do Tempo Comum, São Tomé, Apóstolo, 03/07/2021

Estas são as palavras que precisamos orar mais do que qualquer outra. Estas são as palavras de rendição completa a Deus. A oração é basicamente uma coisa. É sobre rendição. É sobre confiança. Diga essas palavras várias vezes hoje e deixe que essa perfeita rendição de Jesus também seja sua rendição.

Rendição significa que Deus está no controle. Isso significa que abandonamos nossa própria vontade e escolhemos apenas a de Deus. E isso significa que Deus promete aceitar nossa rendição e nos guiar no plano perfeito que Ele tem em mente para nós.

“Está terminado.”

É significativo que Ele tenha dito “Está consumado” como Suas últimas palavras. O que isto significa? O que está terminado?

Essa declaração espiritual de Jesus é uma afirmação de que Sua missão de redenção do mundo inteiro está cumprida. “Isso” se refere ao Seu sacrifício perfeito de amor oferecido a todos nós. Sua morte, que comemoramos hoje, é o sacrifício perfeito que tira os pecados de todos. Que presente! E que sacrifício Jesus suportou por nós!

Estamos acostumados a ver esse sacrifício na cruz. Nós ponderamos sobre esse sacrifício toda vez que olhamos para o crucifixo. Mas é importante notar que nossa super familiaridade com a cruz pode nos tentar a perder de vista o sacrifício. É fácil perdermos o que Jesus realmente fez por nós. Ele realizou o ato que nos salva e agora o está oferecendo. Deixe que este ato completo da Divina Misericórdia penetre na sua alma. Ele deseja dizer que Seu sacrifício “terminou” seu trabalho em sua alma.

Então hoje, nesta Sexta-feira Santa, seria bom se passássemos o dia ponderando a realidade do sacrifício de Jesus. Tente entender como era o próprio Deus sofrer e morrer. Contemple como foi para o próprio Deus, o Criador de todas as coisas, ser morto por aqueles que Ele criou, sofrer nas mãos daqueles a quem Ele amava com um amor perfeito.

Compreender o amor sacrificial de Jesus nos permitirá amar como Ele. Isso nos permitirá amar aqueles que nos machucaram e aqueles que nos perseguem. Seu amor é total. É generoso além da descrição.

Senhor, eu sei que tens sede da minha alma. Você terminou o que começou morrendo na cruz pela minha salvação e pela salvação do mundo. Ajude-me a entender o seu amor e aceitá-lo em minha vida. Me ajude a perdoar. Ajuda-me a convidá-lo para minhas próprias trevas e pecado. Ajuda-me a abandonar tudo para você. Agradeço-lhe, querido Senhor sofredor, pelo presente do seu precioso sangue derramado para a salvação do mundo. Jesus eu confio em vós.

Liturgia Diária com Reflexão

Além da liturgia diária, é comum que nas missas o padre ou celebrante na ocasião, faça uma reflexão das palavras do evangelho do dia. Esta reflexão é feita em geral por livre interpretação, não seguindo um texto pré-definido.

Leia mais:  Evangelho do Dia - domingo, 09/08/2020

A História da Liturgia Diária

O ponto principal da liturgia é o Mistério Pascal, descrevendo a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo e a sua ascensão ao céus, ao reino de Deus.

Até meados do século XVI não havia para a liturgia diária uma padronização ou norma que caracterizava a sua obrigatoriedade, no entanto, foram Pio V e Clemente III que a implementaram. E posteriormente, através do Concílio Vaticano II onde a Liturgia teve a sua mais recente atualização, trazendo mais relevância à Sagrada Escritura na liturgia da palavra.

A Liturgia Diária na Missa

A liturgia faz parte de toda missa celebrada pela Igreja Católica. A liturgia diária é única para cada dia do ano, portanto, naquele dia determinado, todas as igrejas católicas se fazem da mesma leitura.

Utilizada nas missas, a liturgia também pode ser utilizada em outras celebrações. E também pode ser usada em outros momentos como em Grupos de Orações ou para meditar a Palavra do Dia.

E apesar da igreja celebrar o Mistério de Cristo durante todos os dias do ano, o ponto central é o domingo. É neste dia que os católicos devem ir obrigatoriamente à missa como forma de cumprir um dos Cinco Mandamentos da Igreja Católica.

Dessa forma, a liturgia diária é a ação do povo de Deus em uniformidade. Durante a celebração da missa, a liturgia diária pode ser praticada através de gestos, sinais ou palavras.

A Liturgia nos dias de hoje

A Liturgia diária é vista por muitos como sendo um rito que trás uma certa formalização da missa, mas o verdadeiro significado é exatamente o contrário. A liturgia vem para fazer com que os cristãos reflitam as palavras e busquem trazê-las para a sua vida e para os seu dia a dia como forma de viver a Palavra de Deus não apenas na missa mas também na vida cotidiana.

A liturgia vem mostrar o Mistério Pascal da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. A liturgia vem nos trazer orientações de como devemos pensar e agir conforme a Palavra de Deus.

Publicado por: Mundo dos Católicos

Artigos relacionados

Liturgia Diária – 3ª Semana Comum, Terça-feira (25/01) – Conversão de São Paulo

Liturgia Diária – 3ª Semana Comum, Segunda-feira (24/01)

Liturgia Diária – 3º Domingo do Tempo Comum (23/01)

Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Sábado (22/01)

Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Sexta-feira (21/01) – Santa Inês

Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Quinta-feira (20/01) – São Sebastião

Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Quarta-feira (19/01)

Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Terça-feira (18/01)

Liturgia Diária – 2ª Semana Comum, Segunda-feira (17/01)

Liturgia Diária – 2º Domingo do Tempo Comum (16/01)

Liturgia Diária – 1ª Semana Comum, Sábado (15/01)

Liturgia Diária – 1ª Semana Comum, Sexta-feira (14/01)

Liturgia Diária – 1ª Semana Comum, Quinta-feira (13/01)

Liturgia Diária – 1ª Semana Comum, Quarta-feira (12/01)

Liturgia Diária – 1ª Semana Comum, Terça-feira (11/01)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.