Liturgia Diária – Memória de São Carlos Lwanga e companheiros mártires – Segunda-feira (03/06/2024)

Evangelho do Dia

Liturgia Diária de Segunda-feira, 3 de junho de 2024.

Confira diariamente a Liturgia do Dia dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Evangelho do Dia e Oração do Dia. Acompanhe a Liturgia de hoje aqui no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Leitura da Segunda Carta de São Pedro 1,2-7

Caríssimos, 2 graça e paz vos sejam concedidas abundantemente, porque conheceis Deus e Jesus, nosso Senhor.3 O seu divino poder nos deu tudo o que contribui para a vida e para a piedade, mediante o conhecimento daquele que, pela sua própria glória e virtude, nos chamou. 4 Por meio de tudo isso nos foram dadas as preciosas promessas, as maiores que há, a fim de que vos tornásseis participantes da natureza divina, depois de libertos da corrupção, da concupiscência no mundo. 5 Por isso mesmo, dedicai todo o esforço em juntar à vossa fé a virtude, à virtude o conhecimento, 6 ao conhecimento o autodomínio, ao autodomínio a perseverança, à perseverança a piedade, 7 à piedade o amor fraterno e ao amor fraterno, a caridade.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Salmo

Salmo 90 (91)

— Vós sois meu Deus, no qual confio inteiramente.

— Quem habita ao abrigo do Altíssimo *e vive à sombra do Senhor onipotente, 2 diz ao Senhor: “Sois meu refúgio e proteção, *sois o meu Deus, no qual confio inteiramente”.

— “Porque a mim se confiou, hei de livrá-lo * e protegê-lo, pois meu nome ele conhece. Ao invocar-me hei de ouvi-lo e atendê-lo, * a seu lado eu estarei em suas dores

— Hei de livrá-lo e de glória coroá-lo, † vou conceder-lhe vida longa e dias plenos, *e vou mostrar-lhe minha graça e salvação”

Evangelho do Dia

Evangelho (Mc 12,1-12)

— Aleluia, Aleluia, Aleluia.

— Jesus Cristo, a fiel testemunha, primogênito dos mortos, nos amou e do pecado nos lavou, em seu sangue derramado. (Cf. Ap 1,5ab)

Leia mais:  Liturgia Diária – 14ª Semana do Tempo Comum, Sexta-feira (12/07/2024)

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1 Jesus começou a falar aos sumos sacerdotes, mestres da Lei e anciãos, usando parábolas: “Um homem plantou uma vinha, cercou-a, fez um lagar e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou a vinha a alguns agricultores, e viajou para longe. 2 Na época da colheita, ele mandou um empregado aos agricultores para receber a sua parte dos frutos da vinha. 3 Mas os agricultores pegaram no empregado, bateram nele, e o mandaram de volta sem nada. 4 Então o dono da vinha mandou de novo mais um empregado. Os agricultores bateram na cabeça dele e o insultaram.

5 Então o dono mandou ainda mais outro, e eles o mataram. Trataram da mesma maneira muitos outros, batendo em uns e matando outros. 6
Restava-lhe ainda alguém: seu filho querido. Por último, ele mandou o filho até aos agricultores, pensando: ‘Eles respeitarão meu filho’. 7 Mas aqueles agricultores disseram uns aos outros: ‘Esse é o herdeiro. Vamos matá-lo, e a herança será nossa’. 8 Então agarraram o filho, o mataram,
e o jogaram fora da vinha. 9 Que fará o dono da vinha? Ele virá, destruirá os agricultores, e entregará a vinha a outros. 10 Por acaso, não lestes na Escritura: ‘A pedra que os construtores deixaram de lado, tornou-se a pedra mais importante; 11 isso foi feito pelo Senhor e é admirável aos nossos olhos’?” 12 Então os chefes dos judeus procuraram prender Jesus, pois compreenderam que havia contado a parábola para eles. Porém, ficaram com medo da multidão e, por isso, deixaram Jesus e foram-se embora.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Reflexão da Liturgia Diária

Este foi o primeiro de “muitos” empregados que o dono da vinha enviou aos arrendatários para obter parte da produção da vinha. Alguns dos servos foram maltratados, alguns espancados e outros foram mortos. No final, o dono mandou o filho. Os arrendatários mataram-no, pensando que herdariam a vinha se o filho morresse.

Leia mais:  Liturgia Diária – São Bento, abade, Memória, Quinta-feira (11/07/2024)

O contexto desta parábola é importante. Jesus tinha acabado de entrar em Jerusalém para o início da primeira Semana Santa, que terminaria com a Sua morte e ressurreição. No dia anterior, Jesus havia purificado o Templo dos cambistas. Os principais sacerdotes, escribas e anciãos ficaram indignados e começaram a tramar Sua morte. Jesus dirigiu-lhes especialmente esta parábola.

Para entender esta parábola, você precisa entender quem representa quem. Os líderes religiosos de Israel eram os arrendatários, a vinha era a nação judaica, Deus o Pai era o homem que plantou a vinha, os muitos servos enviados para colher os produtos eram os profetas do passado, e Jesus era o Filho Amado que foi morto. A parábola termina dizendo que o dono da vinha (Deus Pai) matará os arrendatários e dará a vinha a outros. Em outras palavras, os escribas, fariseus, principais sacerdotes e anciãos logo teriam sua autoridade religiosa tirada deles, e ela seria dada aos Apóstolos e seus sucessores. Esta parábola, portanto, apresenta-nos um resumo da forma como a Igreja foi formada.

É útil notar que os líderes religiosos da época sabiam que Jesus lhes dirigiu esta parábola, mas não deram atenção à lição. Idealmente, se estivessem abertos ao dom da fé, teriam percebido que estavam tentando roubar a “vinha” de Deus. Eles estavam tentando controlar e manipular o Reino de Israel, torná-lo à sua própria imagem e desconsiderar a vontade de Deus que o estabeleceu.

Esta parábola é especialmente importante para quem exerce alguma forma de autoridade sagrada. Os pais exercem autoridade dentro de casa. Bispos e sacerdotes exercem autoridade dentro da Igreja. E todos nós exercemos uma certa autoridade espiritual quando procuramos cumprir a nossa missão única na vida. A lição desta parábola é simples: não abuse da sua autoridade. Não exerça autoridade de acordo com sua própria vontade; exercê-lo com humildade somente de acordo com a vontade de Deus. Todo líder, sempre e em qualquer lugar, deve liderar de acordo com a mente e a vontade de Deus. Se falharem, sofrerão as consequências.

Leia mais:  Liturgia Diária – 14ª Semana do Tempo Comum, Sábado (13/07/2024)

Reflita hoje sobre qualquer maneira pela qual Deus lhe confiou o dever espiritual de cumprir Sua missão neste mundo. Quando um dever de liderança é confiado a uma pessoa, ao líder também é confiada a autoridade espiritual para cumprir esse dever de acordo com a mente e a vontade de Deus. Isto requer humildade constante para que apenas a vontade de Deus seja cumprida. Procure exercer toda a autoridade de acordo com a mente e a vontade de Deus, e a vinha confiada aos seus cuidados produzirá bons frutos em abundância.

Oração do Dia

Amoroso Pai, Tu escolheste enviar-me, como inquilino do Teu Reino, para dar bons frutos para a vida eterna. Por favor, ajude-me a sempre exercer a autoridade e o dever que me foram confiados com humildade, para que eu procure cumprir a Sua vontade e somente a Sua vontade. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Além da Liturgia Diária, é comum que nas missas o padre ou celebrante na ocasião, faça uma reflexão das palavras do Evangelho do Dia logo após a sua leitura. Esta reflexão é feita em geral por livre interpretação, não seguindo um texto pré-definido.

O ponto principal da liturgia é o Mistério Pascal, descrevendo a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo e a sua ascensão ao céus, ao reino de Deus.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.