Liturgia Diária – 19º Domingo do Tempo Comum (13/08/2023)

Reflexão do Evangelho de Hoje

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Domingo, 13 de agosto de 2023.

Acompanhe diariamente a Liturgia Diária de Hoje dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Oração do dia e as Liturgias Diárias com reflexão. Leia aqui a Liturgia de hoje no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Reis 19,9.11-13

Leitura do Primeiro Livro dos Reis:

Naqueles dias, ao chegar a Horeb, o monte de Deus, 9ao profeta Elias, entrou numa gruta, onde passou a noite. E eis que a palavra do Senhor lhe foi dirigida nestes termos: 11’Sai e permanece sobre o monte diante do Senhor, porque o Senhor vai passar’. Antes do Senhor, porém, veio um vento impetuoso e forte, que desfazia as montanhas e quebrava os rochedos. Mas o Senhor não estava no vento. Depois do vento houve um terremoto. Mas o Senhor não estava no terremoto. 12Passado o terremoto, veio um fogo. Mas o Senhor não estava no fogo. E depois do fogo ouviu-se um murmúrio de uma leve brisa. 13aOuvindo isto, Elias cobriu o rosto com o manto, saiu e pôs-se à entrada da gruta.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 84 (85)

– Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, e a vossa salvação nos concedei!

– Quero ouvir o que o Senhor irá falar: é a paz que ele vai anunciar. Está perto a salvação dos que o temem, e a glória habitará em nossa terra.

– A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão; da terra brotará a fidelidade, e a justiça olhará dos altos céus.

– O Senhor nos dará tudo o que é bom, e a nossa terra nos dará suas colheitas; a justiça andará na sua frente e a salvação há de seguir os passos seus.

2ª Leitura

Segunda leitura: Romanos 9, 1-5

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: 1Não estou mentindo, mas, em Cristo, digo a verdade, apoiado no testemunho do Espírito Santo e da minha consciência. 2Tenho no coração uma grande tristeza e uma dor contínua, 3a ponto de desejar ser eu mesmo segregado por Cristo em favor de meus irmãos, os de minha raça. 4Eles são israelitas. A eles pertencem a filiação adotiva, a glória, as alianças, as leis, o culto, as promessas 5e também os patriarcas. Deles é que descende, quanto à sua humanidade, Cristo, o qual está acima de todos, Deus bendito para sempre! Amém!

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Quinta-feira (18/04/2024)

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 14, 22-33

– Aleluia, Aleluia, Aleluia!

– Eu confio em nosso Senhor, com fé, esperança e amor; eu espero em sua palavra, hosana, ó Senhor, vem, me salva! (SI 129,5);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Depois da multiplicação dos pães, 22Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. 23Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte, para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. 24A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. 26Quando os discípulos o avistaram, andando sobre o mar, ficaram apavorados, e disseram: ‘É um fantasma’. E gritaram de medo. 27Jesus, porém, logo lhes disse: ‘Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!’ 28Então Pedro lhe disse: ‘Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água.’ 29E Jesus respondeu: ‘Vem!’ Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e começando a afundar, gritou: ‘Senhor, salva-me!’ 31Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro, e lhe disse: ‘Homem fraco na fé, por que duvidaste?’ 32Assim que subiram no barco, o vento se acalmou. 33Os que estavam no barco, prostraram-se diante dele, dizendo: ‘Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!’

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

O nosso Evangelho de hoje apresenta-nos duas imagens diferentes para ponderar. A primeira está registrada acima, e a segunda é a história de Jesus andando sobre as águas. Na segunda história, os discípulos estavam remando contra o vento e as ondas no início da manhã, antes do nascer do sol. Jesus apareceu para eles andando sobre as águas, e eles ficaram com medo. Jesus confronta o medo que eles experimentam e chama Pedro a andar sobre as águas como sinal de sua fé Nele. Pedro começa a andar sobre as águas e, com medo, começa a afundar. Ele clama a Jesus, que o pega e gentilmente repreende Pedro por sua falta de fé.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Quarta-feira (17/04/2024)

É útil entender a primeira imagem nesta passagem do Evangelho como o contexto para a segunda. Nesta primeira imagem, vemos Jesus despedindo as multidões depois de alimentar os cinco mil e subir uma montanha para orar sozinho. Embora Jesus estivesse sempre em perfeita união com o Pai e, portanto, não tivesse necessidade de oração, Ele orava porque era Sua expressão humana da profunda união que Ele tinha com Seu Pai. Ao orar, Ele também deu um exemplo a todos que O seguiriam, ensinando-os por Seu exemplo sobre a importância da oração particular. A principal lição que Ele ensinou nesta ocasião foi que a oração é a preparação remota de que precisamos para superar todos os obstáculos aparentes da vida e enfrentar o medo com fé perfeita.

Primeiro, o óbvio “obstáculo” que Jesus superou por meio de Sua oração foi simbolizado por Sua caminhada no mar tempestuoso. Ninguém anda sobre a água. É fisicamente impossível. Mas esse é o ponto. Quando priorizamos nossa vida de oração pessoal, Deus nos conduz a realizar o que nos parece impossível. Pode não ser literalmente andar sobre a água, mas o fato de Ele andar sobre a água depois de passar a noite em oração simboliza cada aparente impossibilidade que enfrentamos na vida. A lição é que, se Deus quiser, nada é impossível. Saberemos disso se fizermos da oração pessoal nossa primeira prioridade.

Um segundo obstáculo que Jesus enfrenta é o medo. O medo é paralisante e nos faz “afundar” quando a vida se torna difícil. Novamente, a oração pessoal é a preparação necessária para vencer o medo. O interessante é que temos duas testemunhas de oração. Primeiro é o testemunho de Jesus. Ele orou porque era bom e correto orar. O segundo é Pedro. Ele orou quando começou a afundar. Ele disse: “Senhor, salva-me!” Esta é a oração de alguém que falhou em ter fé e orou por uma necessidade presente, e não por puro amor a Deus. Muitas vezes, Pedro exemplifica a vida de oração que muitos cristãos têm. Muitas vezes esperamos para orar até que precisamos de ajuda e estamos afundando. Mas e se Pedro também tivesse passado a noite em oração simplesmente por amor a Deus? E se ele tivesse acabado de orar a noite toda quando foi convidado a andar sobre as águas? Talvez então ele tivesse caminhado facilmente até Jesus e não teria cedido ao medo.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Terça-feira (16/04/2024)

Reflita, hoje, sobre fazer de sua vida de oração a prioridade número um em sua vida. Talvez você tenha muitas responsabilidades na vida. Nada é mais importante do que orar – e não apenas quando você se sente preso ou sente que está afundando. Em vez disso, todos devemos estabelecer um hábito inquebrantável de orar a Deus pela única razão de que é bom e correto fazê-lo. O fruto dessa vida de oração é que, não importa o obstáculo que surja em nosso caminho, teremos a fé necessária para seguir todos os mandamentos de nosso Senhor, superando até mesmo o que parece ser impossível.

Oração do Dia

Meu orante Senhor, Você passou a noite em oração a Seu Pai não porque precisava de ajuda, mas por causa de Seu amor. Sua oração foi uma expressão desse amor e uma exigência natural dele. Por favor, ajude-me também a estabelecer um hábito inquebrantável de oração para que meu amor por Ti permaneça forte e para que eu possa segui-lo em todos os obstáculos aparentes da vida. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Até meados do século XVI não havia para a liturgia diária uma padronização ou norma que caracterizava a sua obrigatoriedade, no entanto, foram Pio V e Clemente III que a implementaram. E posteriormente, através do Concílio Vaticano II onde a Liturgia teve a sua mais recente atualização, trazendo mais relevância à Sagrada Escritura na liturgia da palavra.

A liturgia é composta pela primeira leitura, segunda leitura, além do salmo do dia e o evangelho, e faz parte de toda missa celebrada pela Igreja Católica. A Liturgia Diária é única para cada dia do ano, portanto, naquele dia determinado, todas as igrejas católicas se fazem da mesma leitura.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *