Liturgia Diária – 1º Domingo da Quaresma (26/02/2023)

Homilia de Hoje

Liturgia Diária

Liturgia Diária do 1º Domingo da Quaresma, 26 de fevereiro de 2023.

Receba a Liturgia do Diária dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Homilia Diária Hoje do evangelho e Salmo do dia. Leia aqui a Liturgia de hoje no site Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Gênesis 2,7-9; 3,1-7

Leitura do Livro do Gênesis:

7O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, soprou-lhe nas narinas o sopro da vida e o homem tornou-se um ser vivente. 8Depois, o Senhor Deus plantou um jardim em Éden, ao oriente, e ali pôs o homem que havia formado. 9E o Senhor Deus fez brotar da terra toda sorte de árvores de aspecto atraente e de fruto saboroso ao paladar, a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal. 3.1A serpente era o mais astuto de todos os animais dos campos que o Senhor Deus tinha feito. Ela disse à mulher: ‘É verdade que Deus vos disse: ‘Não comereis de nenhuma das árvores do jardim?’ ‘ 2E a mulher respondeu à serpente: ‘Do fruto das árvores do jardim, nós podemos comer. 3Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus nos disse: ‘Não comais dele nem sequer o toqueis, do contrário, morrereis.” 4A serpente disse à mulher: ‘Não, vós não morrereis. 5Mas Deus sabe que no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão e vós sereis como Deus conhecendo o bem e o mal’. 6A mulher viu que seria bom comer da árvore, pois era atraente para os olhos e desejável para se alcançar conhecimento. E colheu um fruto, comeu e deu também ao marido, que estava com ela, e ele comeu. 7Então, os olhos dos dois se abriram; e, vendo que estavam nus, teceram tangas para si com folhas de figueira.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 50 (51)

– Piedade, ó Senhor, tende piedade, pois pecamos contra vós.

– Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

– Eu reconheço toda a minha iniqüidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

– Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

– Dai-me de novo a alegria de ser salvo e confirmai-me com espírito generoso! Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, e minha boca anunciará vosso louvor!

Leia mais:  Liturgia Diária – São Bento, abade, Memória, Quinta-feira (11/07/2024)

2ª Leitura

Segunda leitura: Romanos 5, 12-19

Leitura da carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: 12Consideremos o seguinte: O pecado entrou no mundo por um só homem. Através do pecado, entrou a morte. E a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram… 13Na realidade, antes de ser dada a Lei, já havia pecado no mundo. Mas o pecado não pode ser imputado, quando não há lei. 14No entanto, a morte reinou, desde Adão até Moisés, mesmo sobre os que não pecaram como Adão, – o qual era a figura provisória daquele que devia vir -. 15Mas isso não quer dizer que o dom da graça de Deus seja comparável à falta de Adão! A transgressão de um só levou a multidão humana à morte, mas foi de modo bem mais superior que a graça de Deus, ou seja, o dom gratuito concedido através de um só homem, Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos. 16Também, o dom é muito mais eficaz do que o pecado de um só. Pois a partir de um só pecado o julgamento resultou em condenação, mas o dom da graça frutifica em justificação, a partir de inúmeras faltas. 17Por um só homem, pela falta de um só homem, a morte começou a reinar. Muito mais reinarão na vida, pela mediação de um só, Jesus Cristo, os que recebem o dom gratuito e superabundante da justiça. 18Como a falta de um só acarretou condenação para todos os homens, assim o ato de justiça de um só trouxe, para todos os homens, a justificação que dá a vida. 19Com efeito, como pela desobediência de um só homem a humanidade toda foi estabelecida numa situação de pecado, assim também, pela obediência de um só, toda a humanidade passará para uma situação de justiça.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 4, 1-11

– Louvor e glória a ti, Senhor, Cristo, Palavra de Deus.

– O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra da boca de Deus (Mt 4,4):

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo: 1o Espírito conduziu Jesus ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2Jesus jejuou durante quarenta dias e quarenta noites, e, depois disso, teve fome. 3Então, o tentador aproximou-se e disse a Jesus: ‘Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães!’ 4Mas Jesus respondeu: ‘Está escrito: ‘Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’.’ 5Então o diabo levou Jesus à Cidade Santa, colocou-o sobre a parte mais alta do Templo, 6e lhe disse: ‘Se és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo! Porque está escrito: ‘Deus dará ordens aos seus anjos a teu respeito, e eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em alguma pedra’.’ 7Jesus lhe respondeu: ‘Também está escrito: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus!” 8Novamente, o diabo levou Jesus para um monte muito alto. Mostrou-lhe todos os reinos do mundo e sua glória, 9e lhe disse: ‘Eu te darei tudo isso, se te ajoelhares diante de mim, para me adorar.’ 10Jesus lhe disse: ‘Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor teu Deus e somente a ele prestarás culto.’ 11Então o diabo o deixou. E os anjos se aproximaram e serviram a Jesus.

Leia mais:  Liturgia Diária – 14ª Semana do Tempo Comum, Sexta-feira (12/07/2024)

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

“Quarenta” é um número significativo. Nas Escrituras, é usado mais de 145 vezes diferentes. Por exemplo, a chuva durante o Grande Dilúvio durou quarenta dias e quarenta noites. Cada vez que Moisés subia ao Monte Sinai, ele permanecia ali por quarenta dias e quarenta noites. Os israelitas vagaram no deserto por quarenta anos. Após Sua ressurreição, Jesus apareceu aos Seus discípulos por quarenta dias antes de ascender ao Céu. E há muitos outros usos de “quarenta” em toda a Bíblia. Curiosamente, quarenta anos é até significativo na natureza humana, pois nos desenvolvemos dentro do útero de nossa mãe por quarenta semanas antes de nascer.

Os “quarenta” que comemoramos hoje são os quarenta dias e quarenta noites que nosso Senhor passou no deserto sendo tentado pelo diabo enquanto jejuava e orava. Quarenta é usado para simbolizar um tempo de teste, purificação, julgamento ou provação. Por esse motivo, também deve ser visto como um símbolo de toda a sua vida aqui na terra. Na versão de São Mateus da tentação de Jesus no deserto, Ele usa especificamente a expressão “quarenta dias e quarenta noites”. São Beda, ao comentar isso, aponta que esse período de tempo não apenas simboliza toda a nossa vida, mas os “dias” representam as muitas graças e bênçãos que recebemos, enquanto as “noites” representam as cruzes que suportamos.

Ao iniciarmos nossa jornada quaresmal, é importante aplicar mais uma vez as lições do tempo de Jesus no deserto em toda a nossa vida. Vamos considerar duas lições que podemos tirar da passagem citada acima. Primeiro, vemos que Jesus foi “conduzido pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo”. Isso nos ensina que Jesus não apenas suportou a tentação, mas também a confrontou. Ele não tinha medo do diabo e não temia seus ataques. Em vez disso, Ele enfrentou voluntariamente essas tentações, sendo guiado pelo Espírito, não apenas para vencê-las em Sua vida, mas também para nos capacitar a enfrentar, em nossas vidas, cada tentação pelo poder e iniciativa do Espírito Santo. Nunca devemos ter medo de enfrentar as tentações direta e confiantemente quando o Espírito Santo está na liderança.

Leia mais:  Liturgia Diária – 14ª Semana do Tempo Comum, Sábado (13/07/2024)

Uma segunda lição importante é que Jesus jejuou voluntariamente durante esse tempo no deserto. Isso ilustra a importância da virtude da temperança na vida. Se virmos este período de quarenta como um símbolo de toda a nossa vida, entenderemos que a temperança deve sempre fazer parte de nossas vidas. Quando experimentamos as alegrias e bênçãos da vida (os quarenta dias), certamente devemos celebrá-los. Mas devemos sempre fazê-lo com certa abnegação, pois nunca devemos permitir que as coisas passageiras deste mundo se tornem a principal satisfação que buscamos. São João da Cruz ensina que podemos até nos apegar demais às consolações espirituais. Por outro lado, quando experimentamos as cruzes da vida (as quarenta noites), devemos também praticar uma certa abnegação, pois não devemos permitir que as dificuldades que enfrentamos nos desencorajem ou nos desviem de buscar e cumprir a vontade de Deus. O jejum, ou seja, a aquisição da virtude da temperança, deve conduzir-nos sempre nos altos e baixos da vida, ajudando-nos a manter o olhar fixo nas verdades que Deus nos revelou e rejeitando as mentiras do diabo.

Reflita, hoje, sobre a importância de abraçar a virtude da temperança com coragem ao longo da vida. Nos muitos altos e baixos da vida, alegrias e tristezas, bênçãos e cruzes, devemos deixar-nos guiar pelo Espírito, enfrentando cada circunstância com coragem e abnegação. Reflita sobre as maneiras pelas quais você luta com as cruzes que suporta ou se apega excessivamente aos consolos da vida. Procurai abraçar o caminho da virtude nesta Quaresma, imitando os quarenta dias e quarenta noites de Jesus no deserto.

Oração do Dia

tu
Meu temperado e corajoso Senhor, Tu confrontastes toda tentação com coragem e força. Você jejuastes durante quarenta dias e quarenta noites para nos ensinar como enfrentar os altos e baixos da vida. Por favor, dê-me as virtudes da temperança e da coragem e conceda-me o Espírito Santo para que eu possa segui-lo no deserto da minha própria vida. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

A Liturgia Diária é vista por muitos como o momento formal da missa católica. Mas seu verdadeiro significado é fazer com que os cristãos reflitam as palavras e praticar seus ensinamentos no dia a dia.

A liturgia nos mostra o Mistério Pascal da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, trazendo orientações de como devemos pensar e agir conforme a Palavra de Deus.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.