Liturgia Diária – 6º Domingo da Páscoa (05/05/2024)

Salmo do Dia

Liturgia Diária de Domingo, 5 de maio de 2024.

Leia diariamente a Liturgia do Dia aqui no Mundo dos Católicos. Primeira Leitura e o Evangelho do Dia. Acompanhe a Liturgia de hoje e a Oração do aia aqui no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira Leitura (At 10,25-26.34-35.44-48)

Leitura dos Atos dos Apóstolos:

25 Quando Pedro estava para entrar em casa, Cornélio saiu-lhe ao encontro, caiu a seus pés e se prostrou. 26 Mas Pedro levantou-o, dizendo: “Levanta-te. Eu, também, sou apenas um homem”.

34 Então, Pedro tomou a palavra e disse: “De fato, estou compreendendo que Deus não faz distinção entre as pessoas. 35 Pelo contrário, ele aceita quem o teme e pratica a justiça, qualquer que seja a nação a que pertença”.

44 Pedro estava ainda falando, quando o Espírito Santo desceu sobre todos os que ouviam a palavra. 45 Os fiéis de origem judaica, que tinham vindo com Pedro, ficaram admirados de que o dom do Espírito Santo fosse derramado também sobre os pagãos. 46 Pois eles os ouviam falar e louvar a grandeza de Deus em línguas estranhas. Então Pedro falou: 47 “Podemos, por acaso, negar a água do batismo a estas pessoas que receberam, como nós, o Espírito Santo?” 48 E mandou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. Eles pediram, então, que Pedro ficasse alguns dias com eles.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Salmo

Salmo 97 (98)

— O Senhor fez conhecer a salvação e revelou sua justiça às nações.

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

— O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

— Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

2ª Leitura

Segunda Leitura (1Jo 4,7-10)

Leitura da Primeira Carta de São João:

Caríssimos: 7 Amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama
nasceu de Deus e conhece Deus. 8 Quem não ama, não chegou a conhecer a Deus, pois Deus é amor.
9 Foi assim que o amor de Deus se manifestou entre nós: Deus enviou o seu Filho único ao mundo,
para que tenhamos vida por meio dele. 10 Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus,
mas foi ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de reparação pelos nossos pecados.

Leia mais:  Liturgia Diária – 15ª Semana do Tempo Comum, Sexta-feira (19/07/2024)

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Evangelho do Dia

Anúncio do Evangelho (Jo 15,9-17)

— Aleluia, Aleluia, Aleluia.

— Quem me ama realmente guardará minha palavra, e meu Pai o amará, e a ele nós viremos. (Jo 14,23)

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 9 “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11 Eu eu vos disse isso, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. 12 Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Ninguém tem amor maior
do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 15 Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. 16 Não fostes vós que me escolhestes,
mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17 Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Reflexão da Liturgia Diária

Pouco antes da passagem citada acima, Jesus diz: “Vocês serão meus amigos se fizerem o que eu lhes ordeno”. Essa é a medida da verdadeira amizade? Que façamos o que nosso amigo nos manda fazer? Isso depende de qual amigo estamos falando.

Existem muitas imagens que usamos para Deus. Nós O chamamos de Pai, Salvador, Mestre, Senhor, Rei, Redentor, Espírito e Amigo. Quando se trata de Deus como nosso Amigo divino, é importante compreender adequadamente a natureza dessa amizade. A amizade de Jesus não é aquela que simplesmente nos torna “amigos”. A amizade com nosso Senhor não é a mesma coisa que uma amizade entre dois iguais. Ele é Deus. E porque Ele é Deus, a nossa amizade com Ele assume características únicas que não estão presentes em outras amizades. Dito isto, não poderia haver amigo maior do que o próprio Senhor.

Leia mais:  Liturgia Diária – 16º Domingo do Tempo Comum (21/07/2024)

Entre os humanos, nossas amizades têm vários fundamentos. Pode ser que duas pessoas tenham interesses mútuos e gostem de se engajar nesses interesses juntas. Pode ser que duas pessoas tenham passado momentos agradáveis ​​juntas desde a infância. Ou pode ser que duas pessoas tenham enfrentado alguma dificuldade juntas e essa experiência as tenha unido. Mas segundo São Tomás de Aquino, a amizade na sua forma mais pura baseia-se numa só coisa: a caridade mútua.

A caridade é a forma de amor puramente altruísta. É uma forma de se relacionar com o outro em que o único foco de uma pessoa é o bem do outro. Não se baseia nos próprios interesses de cada um. Não é uma questão de “o que eu ganho com isso?” Em 1 Coríntios 13:4-8, São Paulo define o amor da caridade desta forma: “A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante. Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” Esta não é apenas a definição de caridade, é também o único fundamento para a verdadeira amizade.

Ao considerar todas essas qualidades da caridade, você descobrirá que Deus se relaciona conosco em cada uma dessas maneiras. Por isso, Deus nos oferece a amizade mais pura possível. O fato de retribuirmos ou não essas qualidades a Deus determinará a profundidade do vínculo de amizade que estabelecemos com Ele. Mas há mais. Quando amamos a Deus, devemos amá-Lo de uma forma adequada e proporcional a Quem Deus é. Por exemplo, se oferecemos caridade a Deus, procuramos cumprir apenas os interesses de Deus e nos regozijarmos na Verdade de Quem Ele é. Assim, a caridade que oferecemos a Deus vem em forma de adoração. Ele é Deus e é digno de adoração, adoração, entrega, confiança e perfeita obediência. Quando é a Deus que amamos, a própria essência da Pessoa que amamos exige essas respostas.

Leia mais:  Liturgia Diária – 15ª Semana do Tempo Comum, Sábado (20/07/2024)

Uma coisa bela e consoladora a reconhecer nesta forma de caridade dada a Deus é que ela também estabelece uma verdadeira amizade com Deus. Quando oferecemos nossa adoração a Deus, estamos em condições de receber em troca a própria vida de Deus. E a doação de nós mesmos, aliada à recepção da vida de Deus, estabelece um vínculo de santa amizade que nos transformará, nos unirá a Ele e nos preencherá com perfeição. A amizade com Deus nos torna um com Ele e nos abre para receber tudo o que Ele compartilha conosco – ou seja, Seu próprio Ser.

Reflita hoje sobre o convite que Jesus lhe fez para entrar em uma verdadeira amizade com Ele. Isso significa que Deus se torna o centro da sua vida. Significa que você busca se entregar, desinteressadamente e sem reservas, Àquele que é merecedor de todo o seu amor. Significa que você escolhe a adoração e a obediência à perfeição. A recompensa desse amor é que você é capaz de entrar em um vínculo que é tão sagrado, tão puro e tão gratificante que o completa, permitindo que você se torne quem deveria ser.

Oração do Dia

Meu Deus e verdadeiro amigo, Tu me ofereces tudo na vida. Tu me ofereces Seu amor perfeito, dado plenamente e sem reservas. Oro para que eu retribua esse profundo amor e ofereça a Ti tudo o que Tu mereces. Ofereço-te meu amor, adoração e obediência, querido Senhor. Que esse amor mútuo forme um vínculo que nunca terá fim. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Utilizada nas missas, a Liturgia Diária também pode ser utilizada em outras celebrações. E também pode ser usada em outros momentos como em Grupos de Orações ou para meditar a Palavra do Dia.

E apesar da igreja celebrar o Mistério de Cristo durante todos os dias do ano, o ponto central é o domingo. É neste dia que os católicos devem ir obrigatoriamente à missa como forma de cumprir um dos Cinco Mandamentos da Igreja Católica.

Dessa forma, a Liturgia Diária é a ação do povo de Deus em uniformidade. Durante a celebração da missa, a Liturgia Diária pode ser praticada através de gestos, sinais ou palavras.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.