Liturgia Diária – 22º Domingo do Tempo Comum (03/09/2023)

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Domingo, 3 de setembro de 2023.

Confira diariamente a Liturgia do Dia dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Evangelho do Dia e Oração do Dia. Acompanhe a Liturgia de hoje aqui no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Jeremias 20, 7-9

Leitura do Livro do Profeta Jeremias:

7Seduziste-me, Senhor, e deixei-me seduzir; foste mais forte, tiveste mais poder. Tornei-me alvo de irrisão o dia inteiro, todos zombam de mim. 8Todas as vezes que falo, levanto a voz, clamando contra a maldade e invocando calamidades; a palavra do Senhor tornou-se para mim fonte de vergonha e de chacota o dia inteiro. 9Disse comigo: ‘Não quero mais lembrar-me disso nem falar mais em nome dele.’ Senti, então, dentro de mim um fogo ardente a penetrar-me o corpo todo: desfaleci, sem forças para suportar.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 62 (63)

– A minha alma tem sede de vós, como a terra sedenta, ó meu Deus!

– Sois vós, ó Senhor, o meu Deus! Desde a aurora ansioso vos busco! A minha alma tem sede de vós, minha carne também vos deseja, como terra sedenta e sem água!

– Venho, assim, contemplar-vos no templo, para ver vossa glória e poder. Vosso amor vale mais do que a vida: e por isso meus lábios vos louvam.

– Quero, pois vos louvar pela vida, e elevar para vós minhas mãos! A minha alma será saciada, como em grande banquete de festa; cantará a alegria em meus lábios, ao cantar para vós meu louvor!

– Para mim fostes sempre um socorro; de vossas asas à sombra eu exulto! Minha alma se agarra em vós; com poder vossa mão me sustenta.

2ª Leitura

Segunda leitura: Romanos 12, 1-2

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

1Pela misericórdia de Deus, eu vos exorto, irmãos a vos oferecerdes em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus: Este é o vosso culto espiritual. 2Não vos conformeis com o mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e de julgar, para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, isto é, o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito.

Leia mais:  Liturgia Diária – Santo André, Apóstolo - Festa, Quinta-feira (30/11/2023)

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 16, 21-27

– Aleluia, Aleluia, Aleluia!

– Que o Pai do Senhor Jesus Cristo nos dê do saber o espírito; conheçamos, assim, a esperança à qual nos chamou, como herança! (Ef 1,17s);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo: 21Jesus começou a mostrar a seus discípulos que devia ir à Jerusalém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes e dos mestres da Lei, e que devia ser morto e ressuscitar no terceiro dia. 22Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo, dizendo: ‘Deus não permita tal coisa, Senhor! Que isto nunca te aconteça!’ 23Jesus, porém, voltou-se para Pedro, e disse: ‘Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus mas sim as coisas dos homens!’ 24Então Jesus disse aos discípulos: ‘Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. 25Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la. 26De fato, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro mas perder a sua vida? O que poderá alguém dar em troca de sua vida? 27Porque o Filho do Homem virá na glória do seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um de acordo com a sua conduta.

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

Pouco antes de Jesus dar esse ensinamento, Ele predisse aos Doze pela primeira vez que Ele “sofreria grandemente por parte dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, e seria morto e ressuscitaria no terceiro dia”. Com medo, Pedro objetou, dizendo: “Deus não permita, Senhor! Tal coisa nunca acontecerá com você.” À declaração de Pedro, Jesus responde com firmeza: “Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus mas sim as coisas dos homens!” Que coisa difícil deve ter sido ouvir Jesus!

Leia mais:  Liturgia Diária – 34ª Semana do Tempo Comum, Sexta-feira (01/12/2023)

Jesus estava pronto e disposto a sofrer e morrer pela salvação do mundo. Ele sabia que ao morrer transformaria a própria morte no próprio meio de salvação eterna. Ele sabia que entregar Sua vida dessa maneira era o maior ato de amor que Ele poderia oferecer; portanto, Jesus não hesitou em nada. Ele estava pronto e disposto a dar Sua vida humana para que pudéssemos viver.

Para entender isso, devemos perceber três coisas. Primeiro, ao assumir a nossa natureza humana, Jesus forjou um vínculo entre Deus e a humanidade. Segundo, ao participar da nossa morte, Ele tornou possível que nos apegássemos a Ele na nossa própria morte. Terceiro, ao ressuscitar dos mortos, Jesus tornou possível que aqueles que se apegam a Ele na morte também participassem da Sua Ressurreição. Embora só possamos compreender plenamente este grande mistério da redenção no Céu, devemos nos esforçar para compreendê-lo da melhor maneira possível aqui na terra.

Pedro não entendeu isso, pelo menos não naquele momento em que Jesus o revelou pela primeira vez. Pedro permitiu que o medo o tentasse a interferir no glorioso ato de salvação de Jesus. É por isso que Jesus o repreendeu tão fortemente. Foi uma repreensão amorosa destinada a libertar Pedro do seu medo e a dar-lhe coragem para abraçar o sacrifício que Jesus estava prestes a oferecer.

A passagem citada acima segue a repreensão de Pedro e é a instrução de Jesus sobre como todos nós compartilharemos do Seu dom de salvação. Para ressuscitar com Cristo, devemos morrer livremente com Ele. Devemos negar a nós mesmos, ou seja, todo egoísmo e pecado, e imitar o heroico presente sacrificial de Jesus em Sua vida. O resultado será que estaremos unidos a Ele na Sua morte e na Sua Ressurreição para uma nova vida.

O medo pode nos paralisar. Mas o medo, neste caso, é uma resposta baseada num erro. Aceitamos esse erro quando agimos por egoísmo. Cada um de nós morrerá. Isso é um fato. A questão é como morremos. Podemos morrer egoisticamente, vendo a nossa vida terrena como o centro de tudo. Ou podemos morrer de forma abnegada com nosso Senhor, unindo-nos ao Seu ato de amor sacrificial. Fazemos isso desviando os olhos de nós mesmos e procurando todas as maneiras pelas quais possamos imitar a morte de Jesus. Devemos esforçar-nos para servir, viver sacrificialmente, colocar a vontade de Deus em primeiro lugar, unir-nos a Cristo e fazer do amor ao próximo a nossa missão na vida. Isto é o que Jesus fez. Quando fazemos isso, tomamos a nossa cruz, seguimo-Lo, morremos com Ele e estamos preparados para participar na Sua Ressurreição. Este é o único caminho para a vida eterna.

Leia mais:  Liturgia Diária – 34ª Semana do Tempo Comum, Quarta-feira (29/11/2023)

Reflita hoje sobre as palavras “Tome a sua cruz e siga-me”. Esta é a instrução mais sagrada de Jesus para todos nós sobre como devemos viver e como compartilharemos o Seu dom da vida eterna. De qual cruz em sua vida você tem medo? Que ato de sacrifício você evita? O amor verdadeiro dói no sentido de que é sempre altruísta. Devemos morrer para nós mesmos. Reflita sobre qualquer maneira pela qual você falhou em fazer isso, e permita que a repreensão de Jesus a Pedro também o repreenda, para que você seja libertado do medo deste santo amor sacrificial que o unirá ao nosso Senhor.

Oração do Dia

Meu Senhor sacrificial, Você não temeu entregar Sua vida sagrada por todos nós. Você abraçou Sua missão de amor entrando na própria morte para que pudéssemos morrer Contigo e assim participar de Sua Ressurreição. Por favor, liberte-me de todo medo das cruzes em minha vida e ajude-me a abraçar plenamente uma vida de amor sacrificial. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Além da Liturgia Diária, é comum que nas missas o padre ou celebrante na ocasião, faça uma reflexão das palavras do Evangelho do Dia logo após a sua leitura. Esta reflexão é feita em geral por livre interpretação, não seguindo um texto pré-definido.

O ponto principal da liturgia é o Mistério Pascal, descrevendo a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo e a sua ascensão ao céus, ao reino de Deus.

Foto de Mundo dos Católicos

Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

Patrocinado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não encontrou o que busca?

Faça uma busca abaixo.