Liturgia Diária – 33º Domingo do Tempo Comum (19/11/2023)

Liturgia Diária

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Domingo, 19 de novembro de 2023.

Confira diariamente o Evangelho do Dia Comentado dos Católicos em nosso site. Receba a Liturgia de hoje no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Provérbios 31, 10-13.19-20.30-31

Leitura do Livro dos Provérbios:

10Uma mulher forte, quem a encontrará? Ela vale muito mais do que as jóias. 11Seu marido confia nela plenamente, e não terá falta de recursos. 12Ela lhe dá só alegria e nenhum desgosto, todos os dias de sua vida. 13Procura ló e linho, e com habilidade trabalham as suas mãos. 19Estende a mão para a roca e seus dedos seguram o fuso. 20Abre suas mãos ao necessitado e estende suas mãos ao pobre. 30O encanto é enganador e a beleza é passageira; a mulher que teme ao Senhor, essa sim, merece louvor. 31Proclamem o êxito de suas mãos, e na praça louvem-na as suas obras!

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 127 (128)

– Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

– Feliz és tu se temes o Senhor e trilhas seus caminhos! Do trabalho de tuas mãos hás de viver, serás feliz, tudo irá bem!

– A tua esposa é uma videira bem fecunda no coração da tua casa; os teus filhos são rebentos de oliveira ao redor de tua mesa.

– Será assim abençoado todo homem que teme o Senhor. O Senhor te abençoe de Sião, cada dia de tua vida.

2ª Leitura

Segunda leitura: Tessalonicenses 5, 1-6

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:

1Quanto ao tempo e à hora, meus irmãos, não há por que vos escrever. 2Vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão, de noite. 3Quando as pessoas disserem: ‘Paz e segurança!’, então de repente sobrevirá a destruição, como as dores de parto sobre a mulher grávida. E não poderão escapar. 4Mas vós, meus irmãos, não estais nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. 5Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite, nem das trevas. 6Portanto, não durmamos, como os outros, mas sejamos vigilantes e sóbrios.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 25, 14-30

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana da Páscoa – Sábado (13/04/2024)

– Aleluia, Aleluia, Aleluia!

– Ficai em mim, e eu em vós hei de ficar, diz o Senhor; quem em mim permanece, esse dá muito fruto (Jo 15,4s);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos: 14Um homem ia viajar para o estrangeiro. Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. 15A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. Em seguida viajou. 16O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles, e lucrou outros cinco. 17Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois. 18Mas aquele que havia recebido um só, saiu, cavou um buraco na terra, e escondeu o dinheiro do seu patrão. 19Depois de muito tempo, o patrão voltou e foi acertar contas com os empregados. 20O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: `Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco que lucrei’. 21O patrão lhe disse: `Muito bem, servo bom e fiel! como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ 22Chegou também o que havia recebido dois talentos, e disse: `Senhor, tu me entregaste dois talentos. Aqui estão mais dois que lucrei’. 23O patrão lhe disse: `Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ 24Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento, e disse: `Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ceifas onde não semeaste. 25Por isso fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence’. 26O patrão lhe respondeu: `Servo mau e preguiçoso! Tu sabias que eu colho onde não plantei e que ceifo onde não semeei? 27Então devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence.’ 28Em seguida, o patrão ordenou: `Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! 29Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. 30Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora, na escuridão. Ali haverá choro e ranger de dentes!’

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana da Páscoa – Sexta-feira (12/04/2024)

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

Muitas pessoas sonham em fazer grandes coisas nesta vida. Quem pratica esportes sonha em vencer o campeonato. Quem está no mundo dos negócios sonha em expandir seus negócios. Artistas e atores sonham em se tornar conhecidos. Em quase tudo que fazemos, sonhamos em nos destacar. Esse impulso faz parte dos desejos naturais que Deus nos deu.

Quando se trata da parte mais importante de nossas vidas, devemos nos esforçar para nos destacar também. Qual é a parte mais importante de nossas vidas? É o chamado que recebemos para servir a vontade de Deus. Portanto, devemos nos esforçar para unir o nosso desejo natural de excelência com a nossa fé, para que sejamos levados a cumprir a gloriosa missão que Deus confiou a cada um de nós.

Cada habilidade natural que temos deve ser vista como um dom, dado a nós por Deus com o propósito de glorificá-Lo e promover o Seu Reino na terra. Na nossa parábola de hoje, o homem que partiu de viagem confiou a cada um dos seus servos uma grande soma de dinheiro. A um confiou cinco talentos; para outros dois; para um terceiro, um. Um talento era uma medida de metais preciosos, como prata ou ouro. No valor de hoje, um talento de prata valeria cerca de US$ 30.000. É muito dinheiro confiado a cada um desses servos. Porém, quando o mestre voltou, ele se referiu a esse presente inicial para cada um como uma pequena quantia e então prometeu confiar uma grande quantia aos dois servos que usaram bem os talentos.

De uma perspectiva humana, deveríamos ver os dons naturais que Deus nos deu como uma enorme quantidade. De uma perspectiva divina, devemos ver cada dádiva natural de Deus como apenas o começo. Deus tem muito mais que deseja nos conceder. A fim de obtermos essas riquezas da graça, devemos primeiro usar bem o que nos foi dado para a glória de Deus e para a promoção do Seu Reino.

O que nosso Senhor confiou a você? Que dons e talentos você tem? Ao pensar sobre seus talentos naturais, considere quão bem você os utiliza no serviço de Deus. Usar suas habilidades naturais apenas para si mesmo é o mesmo que recusar usá-las para Deus. Ao único homem a quem foi confiado um talento e não fez nada com ele, o mestre disse: “Seu servo mau e preguiçoso!” Ele então tirou o talento e deu-o ao que tinha dez, que era responsável pelo dinheiro do mestre. Portanto, em nossas vidas, se deixarmos de dedicar nossas habilidades naturais ao serviço de Deus, perderemos até mesmo o pouco que temos. Mas se unirmos o nosso desejo natural de grandeza com o chamado para servir a vontade de Deus, então não haverá limite para as riquezas da graça que Deus concederá.

Leia mais:  Liturgia Diária – Santo Estanislau, bispo e mártir - Memória – Quinta-feira (11/04/2024)

Reflita hoje sobre o quão diligente você é em seu esforço para cumprir a vontade de Deus em sua vida. Se você sente que não pode fazer muita diferença, tente dissipar essa ideia. Tente fazer bem as pequenas coisas. Trabalhe para aperfeiçoar sua caridade em sua vida diária. Comprometa-se com a oração diária. Esforce-se para eliminar todos os pecados de sua vida. Faça bem as pequenas coisas e Deus sorrirá para essas pequenas ofertas e as transformará em uma superabundância de graça.

Oração do Dia

Generíssimo Senhor, confiaste-me uma missão particular na vida. Que eu trabalhe para me destacar nessa missão, mesmo que ela pareça pequena e insignificante. Ao fazer isso, por favor, derrame Suas abundantes bênçãos de graça para que eu me destaque em dar-lhe a maior glória possível e seja um instrumento maior da vinda do Seu Reino à terra. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Até o século XVI não existia uma norma ou regra que indicava a obrigatoriedade da liturgia diária, no entanto, foram Pio V e Clemente III que implementaram. E posteriormente, através do Concílio Vaticano II onde a Liturgia teve a sua mais recente atualização, trazendo mais importância à Sagrada Escritura na liturgia.

A liturgia é formada pela primeira leitura, segunda leitura, além do salmo do dia e o evangelho, e é parte de toda missa da Igreja Católica. A Liturgia Diária é única para cada dia do ano, portanto, para cada dia, todas as igrejas católicas se fazem da mesma leitura neste mesmo dia.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *