Liturgia Diária – 3º Domingo da Quaresma (03/03/2024)

Evangelho do Dia

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Domingo, 3 de março de 2024.

Confira diariamente a Liturgia do Dia dos Católicos em nosso site. Primeira Leitura, Evangelho do Dia e Oração do Dia. Acompanhe a Liturgia de hoje aqui no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Êxodo 20, 1-17

Leitura do livro do Êxodo:

Naqueles dias, 1Deus pronunciou todas estas palavras: 2″Eu sou o Senhor teu Deus que te tirou do Egito, da casa da escravidão. 3Não terás outros deuses além de mim. 4Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que existe em cima, nos céus, ou embaixo, na terra, ou do que existe nas águas, debaixo da terra. 5Não te prostrarás diante desses deuses nem lhes prestarás culto, pois eu sou o Senhor teu Deus, um Deus ciumento. Castigo a culpa dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração dos que me odeiam, 6mas uso da misericórdia por mil gerações com aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos. 7Não pronunciarás o nome do Senhor teu Deus em vão, porque o Senhor não deixará sem castigo quem pronunciar seu nome em vão. 8Lembra-te de santificar o dia de sábado. 9Trabalharás durante seis dias e farás todos os teus trabalhos, 10mas o sétimo dia é sábado dedicado ao Senhor teu Deus. Não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu gado, nem o estrangeiro que vive em tuas cidades. 11Porque o Senhor fez em seis dias o céu, a terra e o mar e tudo o que eles contêm; mas no sétimo dia descansou. Por isso o Senhor abençoou o dia do sábado e o santificou. 12Honra teu pai e tua mãe, para que vivas longos anos na terra que o Senhor teu Deus te dará. 13Não matarás. 14Não cometerás adultério. 15Não furtarás. 16Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo. 17Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, nem coisa alguma que lhe pertença”.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 18 (19)

– Senhor, tens palavras de vida eterna.

– A lei do Senhor Deus é perfeita, conforto para a alma! O testemunho do Senhor é fiel, sabedoria dos humildes.

– Os preceitos do Senhor são precisos, alegria ao coração. O mandamento do Senhor é brilhante, para os olhos é uma luz.

– É puro o temor do Senhor, imutável para sempre. Os julgamentos do Senhor são corretos e justos igualmente.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Terça-feira (16/04/2024)

– Mais desejáveis do que o ouro são eles, do que o ouro refinado. Suas palavras são mais doces que o mel, que o mel que sai dos favos.

2ª Leitura

Segunda leitura: Coríntios 1, 22-25

Leitura da primeira carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos, 22os judeus pedem sinais milagrosos, os gregos procuram sabedoria; 23nós, porém, pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e insensatez para os pagãos. 24Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, esse Cristo é poder de Deus e sabedoria de Deus. 25Pois o que é dito insensatez de Deus é mais sábio do que os homens, e o que é dito fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 2, 13-25

– Glória e louvor a vós, ó Cristo.

– Tanto Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único; todo aquele que crer nele há de ter a vida eterna (Jo 3,16);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:

13Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. 14No templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. 15Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. 16E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isso daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” 17Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”. 18Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?” 19Ele respondeu: “Destruí este templo, e em três dias eu o levantarei”. 20Os judeus disseram: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?” 21Mas Jesus estava falando do templo do seu corpo. 22Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele. 23Jesus estava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais que realizava, muitos creram no seu nome. 24Mas Jesus não lhes dava crédito, pois ele conhecia a todos; 25e não precisava do testemunho de ninguém acerca do ser humano, porque ele conhecia o homem por dentro.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Quarta-feira (17/04/2024)

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

Todos os quatro Evangelhos falam da purificação do Templo por Jesus. Contudo, há uma diferença entre a forma como este evento é retratado nos Evangelhos Sinópticos (Mateus, Marcos e Lucas) e a forma como é retratado no Evangelho de João. O Evangelho de João situa este evento bem no início do ministério público de Jesus, durante a primeira das Suas três viagens anuais a Jerusalém para a Páscoa. Esta foi Sua primeira tentativa de purificar o Templo. Jesus também foi menos severo na versão da história de João, afirmando apenas que os cambistas transformaram a casa de Seu Pai num “mercado”. Nos três Evangelhos Sinóticos, este evento ocorre bem no final do ministério público de Jesus, menos de uma semana antes da morte de Jesus, quando Ele regressou a Jerusalém pela última vez. Nessas versões, Jesus foi mais severo, afirmando que os cambistas haviam transformado a casa de Seu Pai num “covil de ladrões” e não apenas num “mercado”. Ao comentar as diferenças entre a versão de João e a dos Sinópticos, Santo Agostinho e São Tomás de Aquino acreditam que são duas ocasiões diferentes em que ocorreu um ato semelhante de limpeza do Templo.

O Templo Judaico, na época do ministério público de Jesus, era o lugar para onde as pessoas viajavam todos os anos na Páscoa para oferecer o sacrifício de um cordeiro imaculado em comemoração à primeira Páscoa no Egito, quando Deus libertou os judeus da escravidão. Durante esta celebração anual, as famílias judias que viajavam para Jerusalém compravam um cordeiro para sacrifício. Na hora marcada, abateram o animal no pátio do Templo e depois o apresentaram ao sacerdote que recolheu um pouco do sangue e aspergiu sobre o altar, e em seguida retirou a pele, os órgãos e a gordura para serem queimados em sacrifício. A carne foi devolvida à família e assada num ramo de romã para que pudessem festejar enquanto relembravam a ação salvadora que Deus concedeu aos seus antepassados ​​no Egito.

Hoje, vemos o Templo Judaico como símbolo e prefiguração de Cristo, o Novo Templo que é também o sacerdote e o Cordeiro do Sacrifício. Recordai também que, por ocasião da morte de Jesus, o véu do Templo rasgou-se em dois, abrindo-o ao mundo inteiro para que todos pudessem participar no Sacrifício do Cordeiro de Deus. Somos agora convidados a entrar neste Santo dos Santos para partilhar a nova vida de graça realizada pelo Seu Sacrifício. Visto que a graça deste Sacrifício de Nosso Senhor entra em cada coração que crê, para limpar e purificar, então cada pessoa que recebe esta graça torna-se uma nova morada de Deus, um membro do Seu novo Templo, o Corpo de Cristo.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3ª Semana da Páscoa – Quinta-feira (18/04/2024)

Quando Jesus veio para a festa da Páscoa e presenciou a compra e venda desses animais no Templo, Ele os expulsou com muito zelo. Ficou claro que esta celebração sagrada da Páscoa se tornou menos uma celebração da fé e mais um mercado de lucro. A ação de Jesus é também um símbolo do zelo com que Ele agora procura limpar o templo da sua alma. A princípio, quando o pecado e a desordem tomam conta de nossas almas, nosso Senhor pode adotar a abordagem de uma repreensão gentil, como fez em Sua primeira purificação do Templo no Evangelho de João. Se persistirmos em nossos pecados, então nosso Senhor se tornará mais zeloso em Sua purificação, assim como foi em Sua tentativa final de purificar o Templo uma semana antes de morrer.

Reflita hoje sobre esta dupla purificação do Templo em Jerusalém por nosso Senhor e aplique hoje as ações sagradas de Jesus à sua própria alma. Existem novos pecados nos quais você cometeu recentemente e que exigem uma repreensão gentil de nosso Senhor? Existem pecados que Jesus vem revelando a você há anos e nos quais você persiste obstinadamente? Permita que Ele o repreenda com amor e o purifique para que Seu Sacrifício salvador como o Cordeiro de Deus realmente o purifique, e permita que Seu julgamento e ira “passem” por você nesta Quaresma.

Oração do Dia

Meu Senhor purificador, Você limpou o Templo de Jerusalém não uma, mas duas vezes. Seu zelo pela pureza da adoração era claro. Por favor, venha e faça da minha alma sua morada hoje e me purifique de todo pecado. Por favor, ajude-me a ver especialmente as maneiras pelas quais permaneci obstinado em meus pecados e, por favor, purifique esses pecados com muito vigor. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Além da Liturgia Diária, é comum que nas missas o padre ou celebrante na ocasião, faça uma reflexão das palavras do Evangelho do Dia logo após a sua leitura. Esta reflexão é feita em geral por livre interpretação, não seguindo um texto pré-definido.

O ponto principal da liturgia é o Mistério Pascal, descrevendo a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo e a sua ascensão ao céus, ao reino de Deus.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *