Liturgia Diária – Bem-aventurado Inácio de Azevedo e companheiros mártires – Memória, Segunda-feira (17/07/2023)

Liturgia Diária de Hoje

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Segunda-feira, 17 de julho de 2023.

Receba diariamente a Liturgia Diária Comentada dos Católicos em nosso portal. Acompanhe as Leituras de Evangelho do dia de hoje aqui no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira leitura: Êxodo 1, 8-14.22

Leitura do livro do Êxodo:

Naqueles dias: 8Surgiu um novo rei no Egito, que não tinha conhecido José, 9e disse ao seu povo: ‘Olhai como o povo dos filhos de Israel é mais numeroso e mais forte do que nós. 10Vamos agir com prudência em relação a ele, para impedir que continue crescendo e, em caso de guerra, se una aos nossos inimigos, combata contra nós e acabe por sair do país’. 11Estabeleceram inspetores de obras, para que o oprimissem com trabalhos penosos; e foi assim que ele construiu para o Faraó as cidades-entrepostos Pitom e Ramsés. 12Mas, quanto mais o oprimiam, tanto mais se multiplicava e crescia. 13Obcecados pelo medo dos filhos de Israel, os egípcios impuseram-lhes uma dura escravidão. 14E tornaram-lhes a vida amarga pelo pesado trabalho da preparação do barro e dos tijolos, com toda a espécie de trabalhos dos campos e outros serviços que os levavam a fazer à força. 22Então, o Faraó deu esta ordem a todo o seu povo: ‘Lançai ao rio Nilo todos os meninos hebreus recém-nascidos, mas poupai a vida das meninas’.

– Palavra do Senhor

– Graças a Deus

Salmo

Salmo 123 (124)

– Nosso auxílio está no nome do Senhor.

– Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, que o diga Israel neste momento; se o Senhor não estivesse ao nosso lado, quando os homens investiram contra nós, com certeza nos teriam devorado no furor de sua ira contra nós.

– Então as águas nos teriam submergido, a correnteza nos teria arrastado, e então, por sobre nós teriam passado essas águas sempre mais impetuosas. Bendito seja o Senhor, que não deixou cairmos como presa de seus dentes!

– Nossa alma como um pássaro escapou do laço que lhe armara o caçador; o laço arrebentou-se de repente, e assim nós conseguimos libertar-nos. O nosso auxílio está no nome do Senhor, do Senhor que fez o céu e fez a terra!

Evangelho do Dia

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 10, 34-11, 1

Leia mais:  Liturgia Diária – Santo Estanislau, bispo e mártir - Memória – Quinta-feira (11/04/2024)

– Aleluia, Aleluia, Aleluia!

– Felizes os que são perseguidos por causa da justiça do Senhor, porque o reino dos céus há de ser deles! (Mt 5, 10)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 34Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada. 35De fato, vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra. 36E os inimigos do homem serão os seus próprios familiares. 37Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim, não é digno de mim. 38Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. 39Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la. 40Quem vos recebe, a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo. 42Quem der, ainda que seja apenas um copo de água fresca, a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo: não perderá a sua recompensa.’ 11,1Quando Jesus acabou de dar essas instruções aos doze discípulos, partiu daí, a fim de ensinar e pregar nas cidades deles.

– Palavra da Salvação

– Glória a Vós, Senhor

Reflexão da Liturgia Diária

À primeira vista, este parece ser um ensinamento difícil de nosso Senhor. Mas quando bem compreendido, é claro que nos ajuda a manter as nossas relações com Deus e com a nossa família devidamente ordenadas na caridade e na verdade. Seguir este mandamento nunca resultará em falta de amor pela família; ao contrário, nos ajudará a amar somente com o coração de Cristo.

O que esse ensinamento de Jesus exige de nós? Simplificando, se um membro da família, ou qualquer outra pessoa, impõe expectativas sobre nós que são contrárias à vontade de Deus, então devemos escolher a vontade de Deus sobre essas outras expectativas. Para entender isso com mais clareza, pense em como alguém pode escolher amar “pai ou mãe” ou “filho ou filha” mais do que a Deus. Digamos, por exemplo, que uma criança escolhe se desviar em sua vida moral ou de fé e deseja que seus pais a apoiem em seu pecado. Mas os pais permanecem firmes em suas convicções morais e, por amor, não oferecem apoio ao estilo de vida imoral que seus filhos escolheram. Isso se tornaria especialmente difícil para os pais se a criança ficasse com raiva e os criticasse, alegando que os pais estavam julgando e carecendo de amor. O que a criança está realmente pedindo é: “Mamãe e papai, vocês devem me amar mais do que a Deus e Suas leis”. E se os pais não apoiarem o estilo de vida equivocado de seus filhos, o relacionamento pode ser profundamente ferido. Talvez essa seja uma das razões pelas quais Jesus seguiu esse mandamento dizendo: “e quem não toma a sua cruz e não segue após mim, não é digno de mim”. O amor envolve sempre a Cruz. Às vezes, é uma cruz de auto-sacrifício pessoal e auto-doação. E outras vezes, é uma cruz pela qual nosso amor é mal interpretado, e somos considerados “sem amor” por aqueles que realmente amamos. Quando os pais realmente amam seus filhos, eles cuidarão antes de mais nada da salvação eterna e da vida moral de seus filhos, e não escolherão a “amizade” com seus filhos em vez da verdade.

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana da Páscoa – Sexta-feira (12/04/2024)

É claro que essa mesma verdade se aplica a todos os relacionamentos que teremos e até mesmo ao nosso “relacionamento” com a sociedade como um todo. Cada vez mais, há quem exija de todos nós que os apoiemos em comportamentos objetivamente desordenados e contrários à vontade de Deus. Dizem-nos que, se nos opusermos a essas escolhas que alguns fazem, seremos críticos e odiosos. Mas é exatamente disso que Jesus está falando. Se escolhermos “amar” os outros mais do que Deus e Sua santa vontade, ou seja, se nossa primeira prioridade é fazer com que as pessoas “se sintam” apoiadas nas decisões imorais e confusas que tomam, então na verdade não as estamos amando. Pelo menos não com o amor de Deus. Em vez disso, estamos priorizando o pecado deles sobre a verdade que eles precisam conhecer profundamente para serem libertos e entrarem em um relacionamento autêntico de amor com o Deus da Verdade.

Reflita, hoje, sobre o amor verdadeiro. O amor só é amor verdadeiro quando está fundamentado e centrado em Deus e em todas as leis morais que Ele estabeleceu. Reflita sobre seus próprios relacionamentos, especialmente com a família e as pessoas mais próximas a você. Você os ama com o puro amor de Deus? O seu amor permanece firmemente enraizado na vontade de Deus? Ou você, às vezes, escolhe comprometer as verdades da fé e da moralidade para apaziguar as expectativas equivocadas dos outros? Bondade, gentileza e compaixão devem estar sempre presentes. Mas a verdade moral também deve estar presente e deve ser o fundamento de todas as virtudes que exercemos em nossos relacionamentos com todos. Não tenha medo de amar os outros exclusivamente com a mente e o coração de Deus. Fazer isso é a única maneira de ter amor verdadeiro por todos em sua vida para ajudar a salvar suas almas.

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana da Páscoa – Sábado (13/04/2024)

Oração do Dia

Senhor de tudo, Tu chamas todas as pessoas para amar-te com toda a sua mente, coração, alma e força. Tu nos chama a todos para aderir a todas as verdades que você falou. Dê-me a coragem e o amor de que preciso não apenas para amar a Ti acima de tudo, mas também para amar os outros apenas com Seu amor. Ajuda-me a abraçar a tua cruz quando isso for difícil para que eu seja um instrumento melhor do amor que tens por todos. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

A palavra “liturgia” já era comum nos tempos antigos, mas foi apenas depois dos séculos VIII e IX que a liturgia começou a ser usada pela igreja grega e passando a fazer parte da igreja católica alguns séculos a seguir.

A Liturgia Diária é sempre usada nas missas e existe uma liturgia para cada dia do ano. A Liturgia Diária é dividida em 3 partes: a Leitura, o Salmo e o Evangelho do dia. Em alguns dias, podem haver duas ou mais Leituras também.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *