Liturgia Diária – Quinta-feira Santa – Ceia do Senhor (28/03/2024)

Reflexão do Evangelho de Hoje

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Quinta-feira, 28 de março de 2024.

Confira todos os dias a Liturgia de Hoje dos Católicos em nosso site. Acompanhe as Leituras, a Oração do dia e o Evangelho Hoje com reflexão. Leia aqui a Liturgia de hoje no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira Leitura (Êx 12,1-8.11-14)

Leitura do Livro do Êxodo:

Naqueles dias: 1 O Senhor disse a Moisés e a Aarão no Egito: 2 ”Este mês será para vós o começo dos meses; será o primeiro mês do ano. 3 Falai a toda a comunidade dos filhos de Israel, dizendo: ‘No décimo dia deste mês, cada um tome um cordeiro por família, um cordeiro para cada casa.

4 Se a família não for bastante numerosa para comer um cordeiro, convidará também o vizinho mais próximo, de acordo com o número de pessoas. Deveis calcular o número de comensais, conforme o tamanho do cordeiro.

5 O cordeiro será sem defeito, macho, de um ano. Podereis escolher tanto um cordeiro, como um cabrito: 6 e devereis guardá-lo preso até ao dia catorze deste mês. Então toda a comunidade de Israel reunida o imolará ao cair da tarde.

7 Tomareis um pouco do seu sangue e untareis os marcos e a travessa da porta, nas casas em que o comerem. 8 Comereis a carne nessa mesma noite, assada ao fogo, com pães ázimos e ervas amargas.

11 Assim devereis comê-lo: com os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. E comereis às pressas, pois é a Páscoa, isto é, a ‘Passagem’ do Senhor!

12 E naquela noite passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até os animais; e infligirei castigos contra todos os deuses do Egito, eu, o Senhor.

13 O sangue servirá de sinal nas casas onde estiverdes. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora, quando eu ferir a terra do Egito. 14 Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Salmo

Salmo 115 (116B)

— O cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

— Que poderei retribuir ao Senhor Deus por tudo aquilo que ele fez em meu favor? Elevo o cálice da minha salvação, invocando o nome santo do Senhor.

— É sentida por demais pelo Senhor a morte de seus santos, seus amigos. Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, mas me quebrastes os grilhões da escravidão!

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana da Páscoa – Sábado (13/04/2024)

— Por isso oferto um sacrifício de louvor, invocando o nome santo do Senhor. Vou cumprir minhas promessas ao Senhor na presença de seu povo reunido.

2ª Leitura

Segunda Leitura (1Cor 11,23-26)

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:

Irmãos: 23 O que eu recebi do Senhor foi isso que eu vos transmiti: Na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão 24 e, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória”.

25 Do mesmo modo, depois da ceia, tomou também o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança, em meu sangue. Todas as vezes que dele beberdes, fazei isto em minha memória”. 26 Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, estareis proclamando a morte do Senhor, até que ele venha.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Evangelho do Dia

Anúncio do Evangelho (Jo 13,1-15)

— Glória a vós, ó Cristo, Verbo de Deus.

—Eu vos dou este novo Mandamento, nova ordem, agora, vos dou, que, também, vos ameis uns aos outros, como eu vos amei, diz o Senhor. (Jo 13,34)

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + escrito por João.

— Glória a vós, Senhor.

1 Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.

2 Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3 Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4 levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5 Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido.

6 Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7 Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”.

8 Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. 9 Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”.

10 Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”.

Leia mais:  Liturgia Diária – 3º Domingo da Páscoa (14/04/2024)

11 Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”.

12 Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13 Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. 14 Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15 Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Reflexão da Liturgia Diária

O santo Tríduo começa. Hoje cumprimos esta passagem do Antigo Testamento, revelando que a Páscoa se tornaria “uma instituição perpétua”. Esta passagem conclui a nossa instrução da Primeira Leitura do Senhor dada a Moisés e Arão sobre como se preparar para a libertação dos israelitas do Egito. Praga após praga foi infligida aos egípcios, e nenhuma delas resultou na libertação dos israelitas. Portanto, o Senhor instruiu os israelitas a celebrar a primeira Páscoa matando um cordeiro de um ano de idade, borrifando seu sangue nas ombreiras das portas e banqueteando-se com a carne em preparação para a jornada para a Terra Prometida. Hoje, continuamos esta celebração da Páscoa ao participarmos no Sacrifício do Cordeiro de Deus, cujo sangue foi derramado, cuja carne consumimos e que nos conduz através do deserto da vida até à nova e eterna Terra Prometida do Céu.

Assim como a primeira Páscoa foi uma prefiguração do Sacrifício do Cordeiro de Deus, também as pragas que antecederam a Páscoa nos apresentam muito significado. No início, toda a água do Egito se transformou em sangue. Então rãs, mosquitos, moscas e pestes cobriram a terra. Furúnculos cobriam a pele de humanos e animais. Choveu granizo, gafanhotos cobriram a terra e finalmente a escuridão cobriu a terra por três dias. Nenhuma destas pragas conseguiu convencer o Faraó a deixar o povo de Deus ir; portanto, a praga final a ser infligida foi a morte dos primogênitos. Foi o sangue do cordeiro pascal, aspergido nas ombreiras das casas dos israelitas, que sinalizou aos anjos para passarem por cima de suas casas.

As pragas infligidas ao Faraó e aos egípcios foram severas. Mas por causa da obstinação deles, Deus continuou até que eles mudaram. Lembre-se também de que mesmo depois de os israelitas terem sido libertados, o Faraó mudou de ideia e os perseguiu até o Mar Vermelho, onde seu exército morreu.

Leia mais:  Liturgia Diária – 2ª Semana da Páscoa – Sexta-feira (12/04/2024)

Embora esses eventos prefiguradores possam não ser tão agradáveis ​​de se considerar, eles devem ser refletidos. Devemos ver neles os esforços incansáveis ​​e implacáveis ​​de Deus para nos libertar do pecado. A obstinação e a opressão do Faraó são sinais claros do mal opressivo no nosso mundo de hoje e nas nossas próprias almas. Quando procuramos abraçar a liberdade para a qual somos chamados, seremos confrontados com muitas tentações e opressão do maligno, bem como da nossa própria natureza humana decaída. Mas se confiarmos em Deus, como Moisés fez, então receberemos tudo o que precisamos para começar a jornada para a liberdade. Mais especificamente, a Carne e o Sangue do Filho do Homem é o nosso Cordeiro Pascal. A Eucaristia, instituída na Quinta-feira Santa, protege-nos da morte final. Consumir o Corpo de Cristo também nos fortalece para nossas jornadas espirituais. Sem ela, não temos proteção contra o maligno e nos falta a força necessária para sermos fiéis em nossa jornada.

Reflita hoje sobre o incrível compromisso de Deus em libertá-lo. Ele veio à terra, assumiu a forma humana, ofereceu Sua vida em sacrifício e agora alimenta você com Sua carne sagrada. Sem a Eucaristia como alimento espiritual e sem Seu Sangue Sagrado cobrindo vocês, vocês não sobreviverão. Todos nós precisamos da Eucaristia. Precisamos do Pão do Céu. Precisamos do Corpo e do Sangue, da Alma e da Divindade do Salvador do Mundo. Deus fez o possível para salvá-lo. Aceite Seu Presente que especialmente comemoramos e do qual participamos hoje.

Oração do Dia

Meu Cordeiro Sacrificial, você veio à terra para nos libertar da opressão do maligno e das desordens de nossa natureza humana decaída. Por favor, alimente-me hoje e sempre com Seu Corpo Sagrado e Sangue Precioso. Pela força deste Alimento do Céu, continue a me conduzir à Terra Prometida do Céu. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Até o século XVI não existia uma padronização para a liturgia diária, portanto, não tinha uma norma que caracterizava a sua obrigatoriedade. Porém, foram Pio V e Clemente III que a implementaram. E foi através do Concílio Vaticano II que a Liturgia teve a sua mais recente atualização.

A Liturgia Diária é única para cada dia do ano, portanto, naquele dia determinado, todas as igrejas católicas se fazem da mesma leitura. A liturgia é formada pela primeira e segunda leitura, salmo e o evangelho do dia, fazendo parte de toda missa celebrada pela Igreja Católica.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *