Liturgia Diária – 10ª Semana do Tempo Comum, Quinta-feira (15/06/2023)

Salmo do Dia de Hoje

Liturgia Diária

Liturgia Diária de Quinta-feira, 15 de junho de 2023.

Leia diariamente a Liturgia do Dia em nosso site. Receba a reflexão do Evangelho do Dia em nosso site e acompanhe a Liturgia de hoje aqui no Mundo dos Católicos.

1ª Leitura

Primeira Leitura (2Cor 3,15-4,1.3-6)

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos, 3,15até o dia de hoje, quando os israelitas leem os escritos de Moisés, um véu cobre o coração deles. 16Mas, todas as vezes que o coração se converte ao Senhor, o véu é tirado. 17Pois o Senhor é o Espírito, e onde está o Espírito do Senhor, aí está a liberdade.
18Todos nós, porém, com o rosto descoberto, contemplamos e refletimos a glória do Senhor e assim somos transformados à sua imagem, pelo seu Espírito, com uma glória cada vez maior. 4,1Não desanimamos no exercício deste ministério que recebemos da misericórdia divina. 3E se o nosso evangelho está velado, é só para aqueles que perecem que ele está velado.
4O deus deste mundo cegou a inteligência desses incrédulos, para que eles não vejam a luz esplendorosa do evangelho da glória de Cristo que é a imagem de Deus. 5De fato, não nos pregamos a nós mesmos, pregamos a Jesus Cristo, o Senhor.
Quanto a nós, apresentamo-nos como servos vossos, por causa de Jesus. 6Com efeito, Deus que disse: “Do meio das trevas brilhe a luz”, é o mesmo que fez brilhar a sua luz em nossos corações, para tornar claro o conhecimento da sua glória na face de Cristo.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

Salmo

Salmo 84 (85),9ab-10.11-12.13-14 (R. cf. 10b)

— A glória do Senhor habitará em nossa terra.

— Quero ouvir o que o Senhor irá falar: é a paz que ele vai anunciar; a paz para o seu povo e seus amigos. Está perto a salvação dos que
o temem e a glória habitará em nossa terra.

— A verdade e o amor se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão; da terra brotará a fidelidade e a justiça olhará dos altos céus.

Leia mais:  Liturgia Diária – 11ª Semana do Tempo Comum, Quinta-feira (20/06/2024)

— O Senhor nos dará tudo o que é bom e a nossa terra nos dará suas colheitas; a justiça andará na sua frente e a salvação há de seguir os passos seus.

Evangelho do Dia

Evangelho (Mt 5,20-26)

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 20“Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus. 21Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’. 22Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: ‘patife!’ será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de ‘tolo’ será condenado ao fogo do inferno.
23Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta. 25Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. 26Em verdade eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Reflexão da Liturgia Diária

A passagem citada acima nos dá três níveis de aprofundamento do pecado que cometemos contra o outro. Esses pecados eram novos ensinamentos não contidos no Antigo Testamento. Por meio desse ensinamento, o chamado de Jesus à santidade radical e ao amor ao próximo fica muito claro.

O primeiro nível de pecado é simplesmente ficar “irritado” interiormente. O pecado da raiva é uma atitude interior de repulsa para com o outro. Jesus diz que a consequência de ter raiva de outra pessoa é que você estará “sujeito a julgamento”. O segundo nível de pecado é quando você diz a outro “Raqa”. Essa palavra aramaica é difícil de traduzir, mas incluiria alguma forma de expressão da raiva de alguém em relação a outra. Seria uma forma depreciativa de dizer a outra pessoa que ela é pouco inteligente ou inferior. O terceiro nível de pecado que Jesus identifica é quando você chama outro de “tolo”. Esta palavra é uma expressão ainda mais forte de Raqa e seria uma crítica verbal a eles, indicando que a pessoa é uma alma perdida no sentido moral. É uma forte condenação moral do outro que é expressa.

Leia mais:  Liturgia Diária – 11ª Semana do Tempo Comum, Sábado (22/06/2024)

Então, você luta contra a raiva? O chamado de Jesus para a libertação de todos os níveis desse pecado é alto. Há muitas ocasiões na vida em que nossa raiva é despertada por um motivo ou outro, e essa paixão leva a um desses níveis de pecado. É uma tentação comum querer condenar o outro com quem você está zangado da maneira mais forte possível.

É importante entender que esse novo ensinamento de Jesus não é realmente um fardo quando compreendido e adotado. A princípio, pode parecer que essas leis de nosso Senhor contra a raiva são negativas. Isso porque atacar o outro dá uma falsa sensação de satisfação, e esses mandamentos de nosso Senhor, de certa forma, “roubam-nos” essa satisfação. Pode ser um pensamento deprimente pensar na obrigação moral de perdoar a ponto de a raiva desordenada desaparecer. Mas é deprimente? Esta lei de nosso Senhor é um fardo?

A verdade profunda é que o que Jesus nos ensina nesta passagem é, em muitos aspectos, mais para o nosso próprio bem do que para o dos outros. Nossa raiva contra o outro, seja interior, verbalmente crítica ou condenação total, pode ser prejudicial para a pessoa com quem estamos zangados, mas o dano que essas formas de raiva causam é muito pior para nós do que para eles. Ficar com raiva, mesmo interiormente, mesmo que tenhamos uma cara alegre, causa um grande dano à nossa alma e à nossa capacidade de nos unirmos a Deus. Por isso, não é essa nova lei de nosso Senhor sobre a ira que é o fardo, é a própria ira que é um fardo pesado e um fardo do qual Jesus quer te libertar.

Leia mais:  Liturgia Diária – Memória de São Luís Gonzaga, religioso, Sexta-feira (21/06/2024)

Reflita, hoje, sobre o pecado da raiva. Ao fazer isso, tente ver sua raiva desordenada como o verdadeiro inimigo, e não como a pessoa com quem você está com raiva. Roga ao Senhor que te liberte deste inimigo da alma e busque a liberdade que Ele quer conceder.

Oração do Dia

Meu misericordioso Senhor, Tu nos chamas para a perfeita liberdade de tudo o que nos sobrecarrega. A raiva nos sobrecarrega. Ajude-me a ver o fardo que minha raiva impõe sobre mim e ajude-me a buscar a verdadeira liberdade através do ato de perdão e reconciliação. Por favor, perdoe-me, querido Senhor, assim como eu perdoo todos os que me machucaram. Jesus eu confio em vós.

A Liturgia Diária para os Católicos

Utilizada nas missas, a Liturgia Diária também pode ser utilizada em outras celebrações. E também pode ser usada em outros momentos como em Grupos de Orações ou para meditar a Palavra do Dia.

E apesar da igreja celebrar o Mistério de Cristo durante todos os dias do ano, o ponto central é o domingo. É neste dia que os católicos devem ir obrigatoriamente à missa como forma de cumprir um dos Cinco Mandamentos da Igreja Católica.

Dessa forma, a Liturgia Diária é a ação do povo de Deus em uniformidade. Durante a celebração da missa, a Liturgia Diária pode ser praticada através de gestos, sinais ou palavras.

Sobre o Autor

Mundo dos Católicos
Mundo dos Católicos

Somos um portal Católico que traz diariamente a Liturgia com a reflexão do evangelho para toda a comunidade Cristã.

    0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *